A Organização Mundial da Saúde aprovou o uso emergencial da vacina de Oxford

A Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou nessa segunda-feira (15), o uso emergencial da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford. O anúncio foi feito poucos dias depois que seus assessores concluíram que o imunizante era recomendável para idosos.

A vacina é a principal aposta do governo federal para a imunização da população brasileira. Por meio da Covax Facility, aliança da OMS para a distribuição igualitária de vacinas contra a covid-19 entre os países, o Brasil deve receber 1,6 milhão de doses no primeiro trimestre deste ano e 4,4 milhões a 6 milhões no segundo trimestre.

Até o fim de 2021, o acordo do Brasil com a Covax Facility estima que sejam enviadas 42,5 milhões de doses ao País, o que daria para imunizar 21,25 milhões de brasileiros. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) tem parceria com a farmacêutica e com a universidade para desenvolvimento do imunizante no Brasil.

No total, a Covax Facility prevê distribuir no primeiro semestre para todos os países que assinaram o acordo 337,2 milhões de doses, sendo 336 milhões da AstraZeneca/Oxford e 1,2 milhão da Pfizer-BioNTech. O aval para uso emergencial é importante principalmente para países menos desenvolvidos, que não contam com agência regulatória desenvolvida para apoiar a decisão de uso ou não da vacina para sua população.

A organização sinalizou ontem que a aprovação se aplicará para as duas versões da vacina da AstraZeneca fabricadas hoje em colaboração com dois sócios da farmacêutica sueco-britânica: o Instituto Serum, da Índia, e a empresa sul-coreana SKBio.

Esta é a segunda vacina que obtém aprovação da OMS. A primeira foi para o imunizante da Pfizer em parceria com a BioNTech, concedida em dezembro. Para a OMS, o aval é especialmente importante, pois planeja distribuir em semanas mais de 300 milhões de doses da vacina da AstraZeneca a vários países.

Crianças e adolescentes

A Universidade de Oxford anunciou que começará a testar a vacina contra a covid-19 produzida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca em crianças e adolescentes. O estudo deve determinar os efeitos da vacina em pessoas pertencentes à faixa etária de 6 a 17 anos. As pesquisas anteriores, que permitiram a aplicação do imunizante em diversos países, incluindo o Brasil, envolveram participantes acima de 18 anos e, por esse motivo, a vacina ainda não é aplicada em pessoas mais jovens.

O estudo randomizado, de fase 2, deve ter início ainda em fevereiro e envolverá 300 voluntários. Entre eles, 240 devem receber a vacina contra a covid-19 e os outros 60 um imunizante contra a meningite, que — de acordo com a universidade — já se mostrou seguro em crianças e deve produzir efeitos colaterais similares, como dor no local da aplicação. Após a conclusão desta fase, os pesquisadores devem incluir mais voluntários para determinar a eficácia do imunizante nesta faixa etária.

“Embora a maioria das crianças não seja relativamente afetada pelo coronavírus e seja improvável que adoeçam com a infecção, é importante estabelecer a segurança e a resposta imune para a vacina em crianças e jovens”, disse Andrew Pollard, professor de infecção e imunidade pediátrica e pesquisador-chefe dos estudos da vacina de Oxford.

Para Rinn Song, pediatra e cientista da universidade, “a pandemia da covid-19 teve impacto negativo profundo na educação, desenvolvimento social e bem-estar emocional de crianças e adolescentes, além de registros raros de casos graves da doença. Portanto, é importante coletar dados de segurança e resposta imunológica nessas faixas etárias, para que possam potencialmente se beneficiar da inclusão em programas de vacinação em um futuro próximo”.

Comentários