Aeronaves das forças de segurança do RS garantem agilidade no transporte de vacinas

Primeira decolagem transportando vacinas ocorreu às 9h10min, rumo a Caxias do Sul. (Foto: Grégori Bertó/SSP)

A esperança por dias melhores neste momento de pandemia chegou pelo ar em municípios do interior do Estado. Na manhã desta terça-feira (19), três aeronaves de instituições da SSP (Secretaria da Segurança Pública) apoiaram o transporte dos primeiros lotes da vacina contra a Covid-19 para Caxias do Sul, Carazinho, Erechim, Palmeira das Missões e Santo Ângelo. As 37.480 doses são parte das 341,8 mil recebidas pelo Estado na noite da segunda-feira (18).

A operação teve início às 7h, com emprego de três aeronaves – um helicóptero e um avião da BM (Brigada Militar) e um helicóptero da Polícia Civil – a partir do hangar do BavBM (Batalhão de Aviação da BM), ao lado do aeroporto Salgado Filho. As decolagens rumo aos destinos começaram às 9h10 – o primeiro lote posou em Caxias do Sul às 9h35min. A cidade da Serra recebeu 14 mil doses. Para Erechim e Palmeiras das Missões, foram enviadas 9.720, e para Carazinho e Santo Ângelo, outras 13.760.

Vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior acompanhou o embarque das caixas com as vacinas e celebrou a participação das forças de Segurança no apoio para levar a imunização aos gaúchos. “Não tenho dúvida da importância deste momento, estamos começando a vacinação no nosso Estado. Mas é importante lembrar: devemos manter todos os protocolos sanitários, usar a máscara, evitar aglomerações, lavar as mãos ou usar o álcool gel. Iniciamos, desde a noite de ontem [segunda-feira], uma nova fase da pandemia”, disse Ranolfo.

Além do transporte aéreo, são encaminhadas doses por via terrestre para as CRS (Coordenadorias Regionais de Saúde) em todo o Estado. Do total recebido pelo RS, estão sendo distribuídas inicialmente 170,8 mil doses. A quantidade remanescente das vacinas ficará armazenada para o posterior envio da segunda dose do público-alvo inicial, cuja previsão para aplicação é entre duas e quatro semanas após a primeira.

Ainda nesta terça (19) serão definidas as quantidades por município, após o trabalho nas CRS de separar as caixas para cada cidade, seguindo os critérios populacionais dos grupos prioritários.

Após, as prefeituras dos 497 municípios devem retirar na respectiva CRS o quantitativo proporcional à população a ser vacinada.

Inicialmente, o público a ser vacinado são os profissionais de saúde da linha de frente em hospitais, Atenção Básica e rede de urgência e emergência; pessoas acima de 60 anos que vivem em ILPI (Instituições de Longa Permanência de Idosos) – asilos – e população indígena aldeada.

Primeira vacinação

Ainda no final da noite de segunda, em ato simbólico no saguão do HCPA (Hospital de Clínicas de Porto Alegre), foram vacinados os cinco primeiros gaúchos, representando os grupos de risco prioritários do Plano Nacional de Imunizações. Receberam a imunização Eloina Gonçalves Born, 99 anos, moradora do Residencial Geriátrico Donna Care; Jorge Amilton Hoher, 68 anos, médico-chefe do serviço de Medicina Intensiva da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre; Carla Ribeiro, 32 anos, da etnia kaingang e residente da Aldeia Fag Nhin, na Lomba do Pinheiro; Joelma Kazimirski, 48 anos, auxiliar de higienização do Grupo Hospitalar Conceição; e Aline Marques da Silva, 40 anos, técnica de Enfermagem CTI Covid do HCPA.

Comentários