As aulas presenciais nas escolas estaduais do Rio Grande do Sul serão retomadas a partir de terça-feira

As aulas presenciais na rede estadual de ensino do Rio Grande do Sul serão retomadas a partir de terça-feira (20) para os estudantes dos ensinos médio e técnico.

No dia 28, retornarão às salas de aula os alunos dos anos finais do ensino fundamental. Em 12 de novembro, será a vez dos estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental.

O calendário e os protocolos para evitar a propagação do coronavírus foram anunciados durante transmissão pela internet, na tarde desta quarta-feira (14), pelo governador Eduardo Leite e pelos secretários da Educação, Faisal Karam, e da Saúde, Arita Bergmann.

“Desde o final de julho, observamos uma estabilização da velocidade de transmissão e das internações por coronavírus nos leitos de UTI do Estado. Desde setembro, observamos a redução das internações e do número de óbitos. Nossos dados mostram claramente que o Rio Grande do Sul já atravessou o pior momento e vive uma situação mais controlada, com a população consciente dos cuidados que devem ser tomados e, portanto, podemos dar passos importantes na retomada das atividades”, disse o governador.

“Muitas escolas privadas já retornaram, e esse retorno se demonstrou seguro, sem intercorrências, sem problemas. O governo do Estado, que fez todo o dever de casa para permitir um retorno seguro, está promovendo a retomada na próxima semana”, prosseguiu Leite.

As escolas são obrigadas a seguir a portaria conjunta 01/2020, de 8 de junho, elaborada pelas secretarias da Saúde e da Educação. O Estado também definiu regras para o transporte escolar, para os refeitórios e para as salas de aula, com distanciamento mínimo entre os alunos, uso de máscara e máximo de 50% de alunos em sala de aula.

“Retomar o ensino presencial é importante para assegurar o direito à aprendizagem, prover atenção e assistência e evitar abandono e evasão. Esse longo período sem aulas presenciais acaba desestimulando parcela significativa dos nossos alunos e comprometendo a aprendizagem. Se nos resignarmos, estaremos deixando de cumprir esse importante papel do Estado”, destacou Leite.

O governo do Estado informou que investiu R$ 270 milhões na compra de equipamentos de segurança e de proteção para garantir o retorno seguro às escolas. Desse montante, R$ 15,3 milhões foram destinados à compra de EPIs (equipamentos de proteção individual).

O retorno dos alunos às salas de aula não é obrigatório. Pais e responsáveis podem decidir se querem mandar seus filhos para as escolas. Inicialmente, será priorizado o retorno presencial para alunos com dificuldade de aprendizado ou de acesso ao conteúdo oferecido pela plataforma Google Sala de Aula.

O modelo de ensino permanecerá sendo híbrido. No entanto, professores e funcionários que não pertençam aos grupos de risco da Covid-19 serão obrigados a retornar ao trabalho presencial.

As atividades presenciais só poderão ocorrer em regiões que estejam em bandeira amarela ou pelo menos duas semanas em bandeira laranja no modelo de Distanciamento Controlado.

Comentários