Bolsonaro alfineta Paulo Guedes, mas ameniza no Twitter: “Nosso casamento segue mais forte que nunca”

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Durante evento no Recife, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que os ministros não são obrigados a permanecerem nos cargos. A declaração concedida nesta sexta-feira (24), foi em resposta a uma afirmação do ministro da Economia, Paulo Guedes. Guedes disse que deixaria o posto, caso a reforma da previdência não seja aprovada.

“Ninguém é obrigado a continuar como ministro meu. Logicamente, ele está vendo uma catástrofe. E é verdade, concordo com ele, se nós não aprovarmos uma reforma muito próxima da que nós enviamos para o parlamento. Então, o Paulo Guedes não é nenhum vidente, não precisa ser, para entender que o Brasil mergulha num caos econômico sem a aprovação dessa reforma”, disse Bolsonaro.

O presidente falou após a reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), durante sua primeira visita ao Nordeste desde que foi eleito. Porém, o presidente disse, em seu perfil no Twitter, que não tem crise entre ele e o ministro. “Nosso casamento segue mais forte que nunca”.

O Ministério da Economia também se manifestou sobre a fala de Paulo Guedes, divulgando nota nesta sexta. O texto afirma que o ministro tem “total compromisso” com a retomada do crescimento econômico e “rechaça qualquer hipótese de que possa se afastar desse propósito”.

No Nordeste, Bolsonaro ainda pediu o apoio dos governadores presentes para a reforma previdenciária. “É uma reforma-mãe. Se você não fizer isso, não terá nossas contas ajustadas e ninguém nem de fora nem de dentro vai querer investir no país. É um apelo que nós fazemos, aí não tem partido político”, destacou.

Comentários