Bolsonaro diz que não quer esconder números sobre o coronavírus

Legenda da imagem: O presidente deu as declarações durante uma live. (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, na noite de quinta-feira (11), que não quer esconder números da pandemia de coronavírus e reclamou de supostas adulterações em atestados de óbito para aumentar os dados de mortes pela Covid-19 no Brasil.

“Falaram que queríamos esconder números, nos compararam à Venezuela, Coreia do Norte, ninguém quer esconder número”, declarou em uma live transmitida pelas redes sociais.

Ele disse que a divulgação com ênfase no total de mortes registradas nas últimas 24 horas, e não ocorridas nesse período, gerava “números fictícios”. “Tem que falar quantos morreram no dia, a carga de antes têm que ser diluída nos dias anteriores”, afirmou. “Números tem que ser mais próximos da realidade possível, se não o real. Tem que saber o que está acontecendo”, completou.

Bolsonaro também criticou governadores. “Estamos investigando, tem muito dado que chega, a população reclama, uma pessoa com problema de saúde entrou em óbito, os familiares não sabiam do vírus e aparece no óbito como Covid-19. Não sei o que acontece, quem quer ganhar com isso, só pode ser ganho político e culpar o governo federal. Uma coisa está errada. Levando a população de forma ponderada, Estado como São Paulo, que fez quase lockdown, fechou tudo, até minha Eldorado Paulista. Fechou quase tudo. E o número de óbitos por milhão de habitantes é muitíssimo maior que Minas Gerais, que fechou bem menos. Se a lógica é fechar para menos óbitos, isso não está funcionando. Os números foram inflados por um lado ou outra coisa. Isso tem que ser explicado”, disse.

Comentários