CABRAL ADMITE PROPINA E DIZ QUE SECRETÁRIO BANCOU SEUS FAMILIARES APÓS PRISÃO

Sergio Cabral está preso desde novembro de 2016. Foto: Divulgação

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral admitiu pela primeira vez que recebia propina e distribuía dinheiro a aliados políticos. A admissão ocorreu em depoimento prestado na quinta-feira, 21, no Ministério Público Federal (MPF) para falar do caso do ex-secretário Régis Fichtner há dez dias.

O emedebista afirmou que o ex-secretário da Casa Civil “recebia uma mensalidade paga pelo depoente com dinheiro recebido da propina em seu governo”. Ele disse que o valor do pagamento era de “algo em torno de R$ 100 mil a R$ 150 mil”. Em todos os seus depoimentos, o ex-governador vinha negando ter pedido propina a empresários. Ele afirmava ter se aproveitado de sobras de caixa dois de campanha.

A mudança no tom faz parte da nova estratégia de defesa após a entrada do advogado Márcio Delambert no caso. A intenção é que Cabral assuma crimes, detalhe seus participantes e contribua com novas informações a fim de reduzir pena.

Comentários