Campanha da Saúde alerta para o perigo da dengue, zika e chikungunya


O objetivo é sensibilizar a população quanto à prevenção e o combate ao mosquito transmissor, o Aedes aegypti.
Foto: Divulgação/Ministério da Saúde

A SES (Secretaria da Saúde) começa nesta semana a divulgação de uma nova campanha sobre os perigos da dengue, zika e chikungunya. A mensagem estará presente em rádios, TV, portais de internet e redes sociais. O objetivo é sensibilizar a população quanto à prevenção e o combate ao mosquito transmissor, o Aedes aegypti.

No ano passado, quase 1,4 mil casos de dengue, zika e chikungunya foram confirmados no Rio Grande do Sul. Embora não tenha ocorrido nenhum óbito nesses casos, as três doenças podem provocar sequelas graves e até a morte. Em 2020, já há três casos de dengue (todos importados) registrados. Tratam-se de residentes em Campo Bom, São Marcos e Santa Bárbara do Sul que contraíram a doença em viagem para fora do Estado.

A campanha tem por objetivo reforçar a mensagem de que a prevenção é uma responsabilidade de todos, principalmente da população. O lançamento da estratégia nesta época busca mobilizar as ações para o período do verão, época de maior ocorrência dos casos. O calor nesta época do ano aumenta a circulação e atividade do mosquito, além do uso de roupas que deixam mais áreas do corpo expostas.

Como a reprodução ocorre em água parada (limpa ou suja), onde os ovos são depositados, medidas simples podem ajudar a prevenir a presença do Aedes, como: tampar os tonéis e caixa d’água; manter as calhas limpas; deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo; manter lixeiras bem tampadas; deixar ralos limpos e com aplicação de tela; limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia; limpar com escova ou bucha os potes de água para animais; retirar água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

Rádio, TV, sites e redes sociais

O tom usado na campanha da SES reforça o alerta de que o Aedes pode matar, com o slogan: Não deixe água parada, previna para não cair doente. A campanha começa nesta semana com peças em áudio divulgadas em rádios de 80 cidades da Região Metropolitana e Interior. Foram selecionados os municípios com maiores índices de infestação do mosquito.

Nos próximos dias serão lançadas as chamadas em sites e nas redes sociais. Em fevereiro, a campanha será estendida para a televisão, com versões de 15 e 30 segundos.

Comentários