Comitê da Câmara aprova acusações contra Donald Trump em processo de impeachment


Casa deve votar pelo impedimento na próxima semana, antes do republicano ser julgado no Senado
(Foto: Reprodução/The White House)

O Comitê Judiciário da Câmara dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira (13) duas acusações contra Donald Trump, como parte do processo de impeachment do republicano: uma de abuso de poder e outra de obstrução do Congresso.

O colegiado controlado pelos democratas votou por 23 a 17 para a aprovação dos chamados artigos de impeachment, documentos formais que explicam as acusações pelas quais um funcionário público pode ser destituído do cargo.

Segundo a acusação, Trump abusou de seu poder ao pressionar a Ucrânia para que investigasse seu rival democrata Joe Biden – o que configuraria interferência estrangeira nas eleições de 2020 –, e tentou impedir a Casa de levar a cabo o inquérito de impeachment, se recusando a fornecer documentos e tentando impedir que funcionários de carreira do governo testemunhassem.

Na próxima semana, se espera que a Câmara vote pelo impedimento do presidente, mas é pouco provável que ele de fato saia do cargo, pois o Senado – dominado pelos republicanos – terá a palavra final. Trump deve ser julgado pelo Senado no início de 2020, assim que a campanha presidencial começar.

“Hoje é um dia solene e triste”, disse o presidente do comitê, Jerry Nadler. “Pela terceira vez em pouco mais de um século e meio, o Comitê Judiciário da Câmara votou artigos de impeachment contra o presidente.”

Falando a repórteres na Casa Branca, Trump criticou o processo e disse que os democratas estavam banalizando o impeachment. “É uma coisa muito triste para o nosso país, mas parece ser muito bom para mim politicamente”, disse ele, argumentando que os números de suas pesquisas aumentaram. “O impeachment é uma farsa. É uma farsa”, disse ele.

Acrescentou que gostaria de encontrar o delator que divulgou o conteúdo de sua conversa com o presidente ucraniano, que detonaria o impeachment, e que não se importaria que o processo fosse longo.

O republicano alegou que Joe Biden, seu provável rival na corrida eleitoral de 2020, estava envolvido em corrupção na Ucrânia e deveria ser investigado, mas não ofereceu provas. O democrata nega qualquer irregularidade.

Os republicanos defendem Trump e acusam os democratas de uma farsa de motivação política, com o objetivo de anular sua vitória nas eleições presidenciais de 2016. “Uma farsa triste e ridícula na Câmara dos Deputados dos EUA. Isso precisa chegar a um fim rápido”, escreveu no Twitter a presidente do Comitê Judiciário do Senado, Lindsey Graham, republicana que é defensora firme de Trump.

Comentários