Contas do governo federal registram em abril o pior resultado da história, com rombo de R$ 93 bilhões

Com perda de arrecadação e aumento dos gastos públicos pelo governo federal em meio à pandemia do novo coronavírus, as contas públicas registraram em abril um déficit mensal recorde de quase R$ 93 bilhões. As informações foram divulgadas nesta quinta-feira (28) pela Secretaria do Tesouro Nacional.

Esse foi o pior resultado mensal da série histórica, iniciada em 1997. O déficit primário indica que as despesas superaram as receitas, mas não inclui os gastos com juros da dívida pública. Os números mostram também que, em um mês, o rombo fiscal quase atingiu o valor registrado em todo o ano passado: R$ 95 bilhões.

De acordo com a equipe econômica do governo, o déficit de abril foi motivado por uma perda de arrecadação de R$ 43 bilhões por conta do coronavírus (redução do nível de atividade e adiamento no pagamento de tributos, além da diminuição de alguns impostos sobre produtos médicos e zinco).

Por outro lado, a pandemia do coronavírus aumentou os gastos públicos em cerca de R$ 60 bilhões no mês passado (despesas com auxílio emergencial e linha de crédito para financiar as folhas salariais das empresas).

“No mês de abril, as despesas em resposta à crise Covid-19 totalizaram R$ 59,4 bilhões, com destaque para o auxílio emergencial a pessoas em situação de vulnerabilidade social (R$ 35,8 bilhões), a concessão de financiamento para o pagamento de folha salarial (R$ 17 bilhões) e as despesas adicionais do Ministério da Saúde e demais ministérios (R$ 4,8 bilhões)”, informou o Tesouro Nacional.

Já no acumulado de janeiro a abril deste ano, o rombo nas contas do governo federal somou R$ 95,762 bilhões, ante R$ 2,762 bilhões no mesmo período do ano passado.

Rombo fiscal

A Secretaria do Tesouro Nacional estimou que o rombo nas contas do setor público consolidado (governo, Estados, municípios e empresas estatais) deverá chegar a 708,7 bilhões em 2020 – 9,9% do PIB (Produto Interno Bruto). Se confirmado, esse será o maior valor da série histórica.

Comentários