Coronavírus pode ter circulado em outro lugar antes de Wuhan, na China, diz a Organização Mundial da Saúde

Entidade também disse que a hipótese de que o vírus tenha sido vazado em um acidente de laboratório é “extremamente improvável” e não requer mais estudos. (Foto: Reprodução)

Representantes da missão da OMS (Organização Mundial de Saúde) à China para descobrir as origens do novo coronavírus disseram, nesta terça-feira (09), que o vírus pode ter circulado em outro lugar antes de Wuhan, cidade chinesa onde foi detectado pela primeira vez.

A entidade também disse que a hipótese de que o vírus tenha sido vazado em um acidente de laboratório é “extremamente improvável” e que essa possibilidade não está entre as que a organização sugere para estudos futuros.

O chefe da equipe chinesa da OMS também disse que não há evidências de que o vírus estivesse circulando antes de dezembro de 2019, quando os primeiros casos de Covid no mundo foram relatados. “Não há indicação da transmissão do Sars-Cov-2 na população do período anterior a dezembro de 2019”, disse Liang Wannian, chefe da equipe da China.

Quatro hipóteses

O especialista em vírus Peter Ben Embarek, que participou da missão da OMS, também disse que a apuração revelou novas informações, mas não mudou dramaticamente o cenário da pandemia. Ele explicou que a entidade trabalhou com quatro hipóteses ao começar a investigação da origem do vírus:

A da transmissão direta entre espécies – de algum animal diretamente para a espécie humana; a da introdução por meio de um hospedeiro intermediário, no qual o vírus ficou um tempo, se adaptou – isto é, sofreu mutações e pressão seletiva que possibilitaram a ele infectar humanos – e só então passou a circular; a da contaminação por meio de alimentos congelados; a de que um acidente de laboratório tenha feito com que o vírus vazasse para a população em geral. Esta hipótese não é sugerida pela OMS para futuros estudos, porque é “extremamente improvável”, segundo Ben Embarek.

Comentários