Descoberto esquema de adulteração e falsificação de adubos e fertilizantes no Rio Grande do Sul

O Ministério Público, com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da Brigada Militar, realizou, na manhã desta terça-feira (30), a Operação NPK, que investiga dois grupos que atuam na adulteração e falsificação de adubos e fertilizantes para a posterior venda. Foram cumpridos 36 mandados de busca e apreensão em 27 cidades – 25 no Rio Grande do Sul, uma no Paraná e outra em Santa Catarina.

São investigados os crimes de participação em organização criminosa, lavagem de dinheiro e ocultação de bens, estelionato, bem como contra as relações de consumo. Caminhões, outros veículos e implementos agrícolas, adquiridos com dinheiro ilícito, foram apreendidos.

Conforme as investigações, um dos grupos tem base de atuação em Colinas. O outro, em Lajeado e Arroio do Meio. Eles são responsáveis por crimes que lesavam milhares de produtores rurais, enganados ao comprarem adubo para suas lavouras. Segundo o promotor de Justiça Reginaldo Freitas da Silva, que coordena a operação, “em um estado agrícola como o Rio Grande do Sul, as condutas acarretam em prejuízos de extrema gravidade”.

A fraude consistia na mistura de outros produtos a fertilizantes que eram comprados de forma regular ou irregular (originados de desvios em portos brasileiros e designados como varredura), fazendo com que houvesse um aumento do produto original. Os investigados acondicionavam o adubo em sacos com marcas comerciais conhecidas ou com a respectiva etiqueta de classificação, que não correspondia à realidade do produto.

Cidades

As cidades onde foram cumpridos os mandados são: Arroio do Meio, Bento Gonçalves, Cambará do Sul, Candelária, Carazinho, Chiapeta, Colinas, Estrela, Flores da Cunha, Gaurama, Ibirapuitã, Júlio de Castilho, Lajeado, Panambi, Pareci Novo, Planalto, Rio Pardo, Saldanha Marinho, Santa Cruz do Sul, São Gabriel, São Luiz Gonzaga, São Nicolau, São Pedro das Missões, São Sebastião do Caí, Venâncio Aires, Colombo (PR) e Correia Pinto (SC).

Comentários