Em carta, Lula afirma que não vai “barganhar” seus direitos de liberdade


A carta é uma resposta do ex-presidente a procuradores que pediram o regime semiaberto do petista. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta segunda-feira (30), através de nota lida por seu advogado Cristiano Zanin Martins, que não aceitaria “barganhar” seus direitos. O petista ressaltou, ainda, que procuradores da Operação Lava Jato devem desculpas ao povo brasileiro. À mídia, Zanin informou que “o ex-presidente Lula não reconhece a legitimidade do processo [do tríplex]”.

A carta é uma resposta do ex-presidente a procuradores que pediram à juíza Carolina Lobos, responsável pela execução da pena, que Lula fosse transferido para o regime semiaberto.

Além de citar o ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro, o petista pediu ainda para que a Suprema Corte corrija a situação. “Diante das arbitrariedades cometidas pelos procuradores e por Sérgio Moro, cabe agora à Suprema Corte corrigir o que está errado, para que haja Justiça independente e imparcial. Como é devido a todo cidadão.”

Confira a íntegra da carta:

(Foto: Reprodução Facebook)

Comentários