Em debate agressivo nos Estados Unidos, Biden manda Trump calar a boca e cita devastação no Brasil

Chamado de palhaço e acusando o adversário de não ser esperto, Trump (E) interrompeu Biden e o moderador Chris Wallace, da Fox News, diversas vezes. (Foto: Reprodução de TV)

Faltando 35 dias para as eleições presidenciais dos Estados Unidos, Donald Trump e Joe Biden discutiram acaloradamente nesta terça-feira (29) no primeiro debate.

Falando muito, Trump quase não deu espaço para o adversário, interrompendo inclusive o moderador e tornando difícil a distribuição do tempo. O presidente foi o primeiro a ser questionado, tendo que responder por que indicou Amy Coney Barrett para a Suprema Corte a pouco mais de um mês para a eleição presidencial.

“Não fui eleito para três anos, fui eleito para quatro”, justificou Trump, embora em 2016 seu próprio partido tenha barrado uma indicação de um juiz feita em março por Barack Obama – sob a alegação de que ela não poderia ser feita em ano de eleição presidencial.

Biden afirmou que a nomeação não deveria ser feita neste momento porque a eleição já está em andamento, uma vez que a votação por correio já foi iniciada em alguns estados.

Saúde

A conversa então foi direcionada para a área de saúde e a promessa de Trump de encerrar o Obamacare, lei que estabelece uma ampliação do acesso ao serviço de saúde, mas que é contestada pelos republicanos. Biden disse que Barrett acredita que o Obamacare “não é constitucional”. Segundo o democrata, colocar a juíza na Suprema Corte é a forma de Trump entregar sua promessa de campanha.

Foi então que Trump acusou o candidato democrata de ser aliado da esquerda radical, uma estratégia antecipada por sua equipe. “Seu partido quer adotar a medicina socialista”, acusou, sendo rebatido pelo adversário.

A troca de farpas aumentou quando o o coronavírus foi discutido, com Trump insistindo que a imprensa quer prejudicá-lo com uma imagem negativa, embora até mesmo governadores democratas elogiem suas iniciativas no combate à pandemia. Biden chegou a rir da afirmação. Com mais de 7 milhões de casos e 200 mil mortes, os Estados Unidos são o país com o maior número de infecções e óbitos por Covid-19 em todo o mundo.

Ainda assim, o presidente tentou comparar a crise com a epidemia de gripe suína de 2009, que, segundo ele, foi enfrentada de forma desastrosa por Obama. Em resposta, seu adversário lembrou que a gripe suína matou 14 mil americanos, em comparação com as 200 mil mortes da Covid-19.
Em determinado momento, Biden se irritou e chegou a pedir para que Trump se calasse para que ele pudesse falar: ‘Você vai calar a boca, homem?’. Este, porém, não foi seu primeiro momento de irritação.

Trump também não ficou atrás e lançou provocações, respondendo às críticas sobre sua atuação em relação à pandemia de coronavírus dizendo que “você não deveria falar em esperteza comigo, não há nada de esperto em você, Joe”.

Trump acusou Biden de querer manter os EUA fechados, e disse que isso iria destruir o país, enquanto o democrata afirmou que era a favor de manter medidas de segurança necessárias para evitar o aumento do número de casos e mortes causadas pelo Covid-19.

“Lei e ordem”

Ao falar sobre os protestos ao redor do país e violência, Trump voltou a associar Biden à esquerda radical, dizendo que o democrata não afirmaria ser a favor da lei e da ordem, porque isso o faria perder os votos dessa ala de eleitores. Ele também o acusou de querer tirar fundos da polícia, o que foi negado. O presidente também reafirmou que cidades governadas por democratas são mais violentas

“A violência em resposta nunca é apropriada. Nunca é apropriada. O protesto pacífico é. A violência nunca é apropriada”, afirmou Biden, que negou categoricamente que pretenda retirar financiamento de forças policiais.

A conversa foi levada a uma discussão sobre racismo, e o moderador lembrou que, durante protestos contra supremacistas brancos em Charlottesville, em 2017, Trump afirmou que havia “boas pessoas dos dois lados”. Wallace pediu então, que o presidente condenasse os grupos de extrema-direita e supremacistas brancos, como já fez com a extrema-esquerda e o movimento Antifa em várias oportunidades.

Trump não condenou diretamente, apenas disse: “Proud Boys (grupo de supremacistas), recuem e fiquem na sua”. E prosseguiu: “Mas, vou lhe dizer uma coisa, alguém tem que fazer algo sobre a Antifa e a esquerda porque isso não é um problema de direita, é um problema de esquerda”.
Em uma última tentativa de ligar Biden à esquerda radical, Trump disse que o plano ambiental do democrata era o “Green New Deal”, apoiado por políticos como Bernie Sanders, mas Biden respondeu que “Não apoio o Green New Deal. Apoio o plano Biden que apresentei.”

Ele citou ainda o Brasil: “As florestas tropicais no Brasil estão sendo destruídas”, disse, e sugeriu “consequências econômicas” ao país caso este não cumpra com metas de preservação das florestas.

Comentários