Em três meses, a EPTC bloqueou mais de 33 mil cartões TRI por suspeitas de fraude

Desde setembro, quando começaram os testes de biometria facial no transporte coletivo da Capital, até 28 de dezembro, foram identificadas 33.522 ocorrências de fraude em Cartões TRI que possuem algum tipo de isenção. Dessas, em 17.781 os usuários prestaram esclarecimentos e o cartão foi desbloqueado e 15.741 continuam bloqueados até esta quinta-feira (04). Atualmente, 300 ônibus contam com o sistema de biometria facial em Porto Alegre.

A suspeita de uso irregular ocorre quando a foto do passageiro registrada no momento em que ele passa a roleta não coincide com a foto do cartão. Quando isso acontece são feitas duas verificações: uma eletrônica e outra manual, realizada por equipe especializada. Se a identidade do dono do cartão não for confirmada pelas conferências, é gerado um aviso de bloqueio para o sistema por suspeita de uso irregular. O usuário nessa situação é informado quando passa a roleta (com o TRI ainda em funcionamento), durante sete dias, que ele deve comparecer ao CIPEI (Centro de Atendimento Integrado da Passagem Escolar). Se ele não comparecer, o cartão será bloqueado. O primeiro desbloqueio é feito também no CIPEI, na rua Uruguai nº 45, das 8h30min às 16h, horário exclusivo apenas para atendimento de situações de bloqueios. Em casos de reincidência, o desbloqueio deve ser solicitado por processo administrativo, que deve ser aberto no Atendimento ao Cidadão, na avenida Érico Verissimo, 100, no bairro Menino Deus.

Campanha

Desde o início de dezembro, a EPTC (Empresa Pública de Transporte e Circulação) e a ATP (Associação de Transportadores de Passageiros) iniciaram a campanha #FaçaOCerto, com orientação aos passageiros sobre o uso correto de cartões com isenções no transporte coletivo, para evitar fraudes. Além de informações nas mídias, foram colocados adesivos nos ônibus, na área junto aos cobradores, e a distribuição de folderes no Centro de Atendimento Integrado da Passagem Escolar, com orientações sobre o sistema de biometria facial, que identifica o usuário do cartão com foto.

O diretor-presidente da EPTC, Marcelo Soletti, ressalta a importância da iniciativa. “A fraude prejudica todo o sistema, pesa para quem realmente paga a tarifa. Estamos atentos e vamos prosseguir com o trabalho do uso da biometria facial para retirar de circulação quem faz o uso indevido das isenções, além da implantação de outras tecnologias, como GPS e câmeras de segurança, entre outras medidas, sempre pensando na qualificação do atendimento, no bem estar e segurança do usuário”, afirma.

.

Comentários