Um milhão de pessoas devem comparecer ao velório de Maradona na Casa Rosada

O velório de Diego Armando Maradona iniciou na manhã desta quinta-feira (26), na Casa Rosada, sede do governo argentino, em Buenos Aires. Autoridades locais estimam que cerca de 1 milhão de fãs do jogador devem ir até o local.

O velório ocorre em meio a uma quarentena oficial decretada pelo governo argentino, que garante o uso de transporte público apenas para trabalhadores essenciais. Mesmo com as restrições, uma multidão se reúne na Praça de Maio.

Maior jogador argentino da história, Maradona venceu a Copa de 1986, com a seleção argentina, quando protagonizou lances históricos como o gol da “mão de Deus”, contra a Inglaterra.

A luta contra a dependência química, durante maior parte da vida, também marcou a história de Maradona. Nos clubes, o ídolo fez história no Boca Juniors e no Napoli – onde foi campeão italiano e da Uefa.

No Brasil, a rivalidade com Pelé, que renderia intermináveis discussões sobre quem seria o melhor jogador, tornou-se tema de muitas conversas sobre futebol. Maradona, no entanto, sempre dizia que sua primeira inspiração no esporte era justamente um outro brasileiro: Roberto Rivellino, ídolo do Corinthians e do Fluminense.

Desde que parou de jogar, Maradona enfrentou problemas cardíacos, de peso e a luta contra o vício. Chegou a ser internado em Cuba para se desintoxicar, depois de quase ter morrido por overdose.

Atualmente, Diego era treinador do Gimnasia La Plata, da Série A argentina, depois de ter treinado equipes no México e em países árabes, além da seleção argentina na Copa de 2010.

Comentários