“Estou me guardando para quando o carnaval chegar”, disse a ex-presidente Dilma Rousseff sobre a sua candidatura ao Senado

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) ainda despista quando o tema é uma possível candidatura ao Senado. “Estou me guardando para quando o carnaval chegar”, disse a jornalistas, em uma referência à música “Quando o carnaval chegar”, de Chico Buarque, após visitar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba (PR), na quinta-feira (31).

A petista afirmou que, de um ponto de vista de construção do País, se dispõe a fazer coisas às que anteriormente não se dispunha. Dilma negou-se, no entanto, a se aprofundar no tema, afirmando que não explorará o que não tem certeza.

A ex-presidente relatou que Lula está com uma excelente aparência física e a moral elevada, além de muito indignado. Ele teria dito que ficou “extremamente impactado” pelo tamanho do desastre provocado pela política de preços praticada pela Petrobras e pelo governo do presidente Michel Temer.

Petrobras

Dilma falou à imprensa durante cerca de 15 minutos e ocupou a maior parte do tempo discorrendo sobre a situação da Petrobras e o que chama de “maldição do petróleo”. Ela teria discutido o tema com o ex-presidente.

Para Dilma, a maldição acontece quando um setor exporta apenas o óleo bruto e importa todos os demais bens. Dilma afirmou que os governos petistas queriam impedir que isso ocorresse e, por isso, expandiram e modernizaram refinarias, buscando a autossuficiência.

A ex-presidente também disse que “inventaram que a Petrobras estava quebrada” para reduzir a produção das refinarias. Ela afirmou que não se pode aceitar que “dolarizem” o petróleo brasileiro. “Por que o petróleo brasileiro, com custos nacionais, precisa estar dolarizado?”, questionou.

Respondendo a acusações de que seu governo segurou o preço dos combustíveis, ela voltou a criticar o posicionamento do mercado internacional como baliza. A ex-presidente disse que o mercado do petróleo é influenciado por pressões derivadas de guerra e do jogo geopolítico e que não é possível deixar que interferências de outros países definam o preço.

Segundo Dilma, a dolarização é uma reivindicação de acionistas minoritários. “Dona Maria e seu Joaquim não têm nada a ver com o mercado internacional”, disse. “Eles não defendem o interesse do Brasil. Defendem os interesses das grandes empresas petrolíferas, principalmente as que não têm reservas próprias. O que querem é acesso às nossas”, afirmou. Dilma voltou a declarar que a candidatura de Lula é a única que pode barrar o “golpe” e disse que se junta à indignação do ex-presidente.

Visita internacional

O ator norte-americano Danny Glover e Dilma visitaram Lula na cela da PF por volta das 16h de quinta-feira. Eles entraram na carceragem um de cada vez, por cerca de meia hora cada. Danny Glover é ativista dos direitos humanos e ligado a centrais sindicais dos Estados Unidos. Após a visita, ele posou para fotos com uma faixa na qual estava escrito “Free Lula”.

“Eu tive a oportunidade de me reunir com meu amigo Lula. Foi uma excelente reunião, apesar de curta. E eu pude ver que ele está bastante calmo, bastante tranquilo e confiante no trabalho dos movimentos sociais que estão dando continuidade ao trabalho dele próprio”, disse o ator.

Comentários