Ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz é alvo de operação contra corrupção na saúde

Agnelo foi conduzido para a polícia do Distrito Federal depois de ser encontrada uma arma em sua residência. (Foto: Agência Câmara)

O Ministério Público do DF (Distrito Federal) realiza uma operação nesta quinta-feira (23) para o cumprimento de 13 mandados de busca e apreensão contra a a prática de corrupção na compra de leitos hospitalares.

Entre os alvos estão o ex-governador do DF Agnelo Queiroz, do PT, e o ex-secretário de Saúde Rafael Barbosa. Agnelo foi conduzido para a polícia do DF depois de ser encontrada uma arma em sua residência. A operação Alto Escalão é conduzida por promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Segundo as investigações, foram identificadas suspeitas de irregularidades em um contrato no valor de R$ 4,6 milhões, envolvendo o proprietário de uma empresa contratada, que teria pago propina de 10% desse montante a pessoas que agiam em nome de Agnelo e Rafael Barbosa.

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Brasília, após informações fornecidas em uma delação premiada, que sugeriu a existência de um contrato fictício de publicidade, assinado entre a secretaria de Saúde e o IBESP (Instituto Brasília para o Bem Estar do Servidor Público), administrado por Luiz Carlos do Carmo, que também é investigado. A empresa teria sido contratada pela secretaria após o pagamento da propina.

A operação Alto Escalão é um desdobramento da operação Checkout, também conduzida pelo Gaeco, que resultou na denúncia contra servidores da pasta da Saúde, lotados Gerência de Hotelaria, por recebimento de vantagens como passagens aéreas e pacotes de viagem em troca de favorecimento à empresa vencedora.

O pagamento de propina também teria beneficiado o ex-governador Agnelo e o ex-secretário Rafael Barbosa. Por isso, a operação ganhou o nome de Alto Escalão.

Comentários