Fiscalização apreende mais de 60 mil itens ilegais em depósitos no Centro de Porto Alegre

Entre os produtos sem procedência localizados, há mochilas, roupas, carregadores de telefone e fones de ouvido. (Foto: Polícia Civil/Twitter)

Mais de 60 mil itens sem procedência foram apreendidos pela Operação Papai Noel em quatro depósitos no Centro Histórico de Porto Alegre na manhã desta quinta-feira (17).

Entre os itens confiscados estão mochilas, roupas, carregadores de telefone, óculos, fones de ouvido, brinquedos, preservativos distribuídos gratuitamente pelo governo (venda proibida) e outros que posteriormente seriam distribuídos e revendidos nas ruas da Capital.

Também foram localizados cinco mil filmes pornográficos. Em um dos locais funcionavam duas salas de cinema pornográfico. A ação identificou os depósitos irregulares em quatro estacionamentos localizados nas avenidas Mauá e Júlio de Castilhos. Desde 2017, os fiscais da SMDE já tiraram mais de 500 mil itens ilegais das ruas da Capital.

“A inteligência da Diretoria de Fiscalização identificou os pontos de estoque dos produtos falsificados e possibilitou uma ação estratégica, evitando que estes artigos cheguem às ruas e sejam comercializados de forma ilegal”, destaca o secretário de Desenvolvimento Econômico, Leonardo Hoff.

A operação integrada reúne a Diretoria de Fiscalização da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, com apoio da Polícia Civil, da Guarda Municipal, da Brigada Militar e do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), a operação visa a coibir a comercialização de produtos ilegais e sem procedência, que colocam em risco a saúde dos consumidores e impactam as atividades do comércio legalizado.

“A secretaria vem atuando diariamente nas ruas de Porto Alegre, coibindo o comércio ilegal de produtos falsificados e clandestinos, porém por mais agentes que se coloque nas ruas, não é possível atingir todas as áreas onde as mercadorias são comercializadas de forma irregular. Sendo assim, essa operação visou atacar a raiz do problema, que são os depósitos e a logística que são financiados pelos empresários do crime. Com inteligência, diálogo com as entidades do setor e integração com as forças policiais, é desejável que operações como a de hoje sejam realizadas com mais frequência, diminuindo o número de produtos nas ruas”, complementa Hoff.

A mercadoria apreendida está sob responsabilidade da Polícia Civil e da SMDE. De acordo om a Polícia Civil, os proprietários dos materiais responderão inquérito por crimes contra a ordem tributária e contra a relação de consumo. Os indiciados poderão responder ainda por delitos contra a propriedade industrial e organização criminosa. A investigação vai apurar ainda se há pornografia infantil entre os vídeos encontrados.

A Polícia Civil efetuou uma prisão em flagrante em um dos depósitos. No local, foi encontrada uma caixa com 50 munições calibre 380 e R$ 6,5 mil.

Comentários