Governo atua para manter Renan Calheiros na presidência do Senado e para garantir a votação da proposta que limita os gastos públicos

Diante da crise entre Senado e Judiciário, interlocutores do presidente Michel Temer buscaram articular uma solução negociada para o embate entre os dois Poderes.

A estratégia tem dois objetivos: tentar manter o aliado Renan Calheiros no posto, mesmo depois de o ministro Marco Aurélio Mello conceder liminar afastando-o da presidência do Senado, e garantir a votação da proposta que impõe um teto para os gastos públicos na próxima semana.

Interlocutores de Temer negociam para que na sessão desta quarta-feira (07) do STF seja alterado o rumo da votação do processo que determina que um réu ocupe cargos na linha sucessória do presidente da República.

O julgamento foi interrompido depois de um pedido de vistas do ministro Dias Toffoli, mas o placar do julgamento já tinha maioria para afastar pessoas nesta condição. O que, por sinal, ajudou a basear a decisão de Marco Aurélio ao conceder liminar para afastar Calheiros, que virou réu no Supremo Tribunal.

Agora, a estratégia é convencer alguns dos seis ministros a alterarem seus votos, aprovando apenas que réu não pode ficar na linha sucessória presidencial, mas não seria afastado do cargo.

Publicamente, o Palácio do Planalto diz que não vai interferir no processo para não tomar partido de uma ala e se desgastar com outra. Nos bastidores, porém, aliados de Temer decidiram traçar a estratégia para socorrer Calheiros.

Nesta terça, Temer reuniu-se com Calheiros e o líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), no Palácio do Planalto, quando foi discutida a situação do presidente do Senado e também uma articulação para garantir a votação do teto.

Temer não admite deixar para o próximo ano a votação de sua principal medida fiscal. Nesta linha, ele pretende se reunir nesta quarta-feira com o vice-presidente Jorge Viana (PT-AC) para tratar do assunto.

O Palácio do Planalto avalia a situação de Calheiros como difícil, principalmente depois de ele partir para o enfrentamento, mas gostaria de encontrar uma solução negociada para a crise.

A ministra da AGU (Advocacia-Geral da União), Gracie Mendonça, chegou a ser escalada pelo governo para sondar o posicionamento dos ministros da Suprema Corte em relação ao julgamento sobre o destino de Calheiros.

Para evitar que um adiamento da votação do teto afete as perspectivas econômicas, o governo federal já iniciou conversas com integrantes do mercado financeiro para que o episódio seja desde já precificado e não afete as previsões para o ano que vem. Isso no caso de falhar a operação para aprová-lo ainda neste ano.

Temer está disposto a negociar iniciativas de interesse dos partidos de oposição caso Viana se comprometa a manter a votação do teto.

Comentários