Governo federal aposta em vacina de Oxford para uso emergencial

A cúpula do Ministério da Saúde acredita que nesta segunda-feira (04) haverá o primeiro pedido de uso emergencial de vacina contra o coronavírus, sendo a vacina produzida pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em parceria com a Universidade de Oxford e o laboratório AstraZeneca.

A Fiocruz se reúne com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) nesta segunda-feira. Entre os integrantes do ministério, esta reunião é vista como um grande passo para garantir o início da vacinação neste mês.

A partir do pedido, a Anvisa pretende dar uma resposta em até 10 dias. Na semana passada, a agência autorizou a importação de 2 milhões de doses de vacinas pela Fiocruz. Essa liberação foi em caráter excepcional já que ainda não existe autorização para começar a usar. Cada pessoa precisa receber duas doses da vacina para alcançar a imunização. O governo pretende usar toda carga da importação já em janeiro.

Em nota, a Fiocruz confirmou neste domingo (03) que fará o pedido nesta semana. A Fiocruz irá adquirir as vacinas prontas do Instituto Serum, da Índia, um dos centros de produção da vacina. “A estratégia é contribuir com o início da vacinação, ainda em janeiro, com as doses importadas, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19, e, ao mesmo tempo, dar início à produção, conforme cronograma já amplamente divulgado”, afirmou.

O pedido de registro definitivo está mantido para 15 de janeiro. Até julho de 2021, a instituição afirma que entregará 110 milhões de doses ao PNI (Plano Nacional de Imunização). “Com a incorporação da tecnologia concluída, a Fiocruz terá a capacidade de produzir mais 110 milhões ao longo do segundo semestre de 2021. Dessa forma, a Fiocruz reafirma seu compromisso com a saúde pública e com o SUS [Sistema Único de Saúde]”, afirmou.

Comentários