Inflação do aluguel registra alta na segunda prévia de outubro com pressão menor do atacado

Taxa acumulada em 12 meses, no entanto, passou para 20,56%, aponta FGV. (Foto: Divulgação)

O IGP-M (Índice Geral de Preços-Mercado), conhecido como a inflação do aluguel, teve alta de 2,92% na segunda prévia de outubro, contra avanço de 4,57% no mesmo período do mês anterior, diante da maior pressão dos preços no atacado, informou a FGV (Fundação Getulio Vargas) nesta terça-feira (20). Com este resultado, porém, a taxa acumulada em 12 meses passou de 18,20% para 20,56%.

“A desaceleração observada nas taxas de variação de algumas commodities, principalmente minério de ferro (17,01% para -0,34%), contribuíram para o recuo do índice de preços ao produtor. Os demais índices componentes do IGP seguem em aceleração. O IPC registra o avanço dos preços dos alimentos (0,80% para 1,66%) e o INCC, o aumento dos preços de materiais e equipamentos (2,52% para 3,69%)”, afirma André Braz, Coordenador dos Índices de Preços.

O IGP-M é utilizado como referência para a correção de valores de contratos, como os de aluguel de imóveis. Foram comparados os preços coletados de 21 de setembro a 10 de outubro com os de 21 de agosto a 20 de setembro.

O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), que tem peso de 60% no índice, variou 3,75% no segundo decêndio de outubro, ante 6,36% no segundo decêndio de setembro.

O IPC (Índice de Preços ao Consumidor), que tem peso de 30% no IGP-M, subiu 0,71% na segunda prévia de outubro, após variar 0,38% no mesmo período de coleta de setembro. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação, com destaque para o grupo Educação, Leitura e Recreação (0,40% para 3,05%).

Já o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção), que tem peso de 10 no indicador, subiu 1,50% no segundo decêndio de outubro. No mês anterior, o índice havia variado 0,98%.

Comentários