Inpe indica que desmatamento na Amazônia cresceu 96% em setembro

O desmatamento na Amazônia cresceu 96%, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O aumento é referente ao mesmo mês em 2018 e foi apontado pelo Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que mostra alertas de desmate para fundamentar ações do Ibama.

No mês de setembro, foram devastados 1.447 quilômetros quadrados de floresta amazônica. O Deter não tem a função de medir exatamente a área desmatada. Mesmo assim, o Deter pode ser usado para mostrar a tendência geral de aumento ou diminuição da destruição na floresta.

Desde o mês de junho, a devastação na Amazônia tem mostrado crescimento. Os meses de julho, agosto e setembro do primeiro ano do governo Bolsonaro tiveram as maiores taxas de desmate desde o início dos registros do Deter, em 2015. Junho teve aumento de 90% no desmate. Em julho, foram 278% de crescimento. Em agosto, o salto foi de 222% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A destruição crescente fez um alerta nos países que investem em desenvolvimento sustentável no Brasil, como a Noruega e Alemanha, por meio do bilionário Fundo Amazônia, que está bloqueado após Bolsonaro ter extinto os conselhos que geriam o fundo. Ambas as nações paralisaram recursos enviados.

Comentários