Julgamento de Lula: acampamento dos movimentos sociais começa a ser montado em Porto Alegre

Os movimentos da Frente Brasil Popular iniciaram na tarde deste domingo (21) no Anfiteatro Pôr do Sol a montagem da estrutura do “Acampamento pela Democracia e em Defesa do direito de Lula ser candidato”. Os caminhões já descarregaram a estrutura e mais de 200 trabalhadores rurais sem terra estão envolvidos na construção das tendas para plenária de debates, alojamento das caravanas, cozinha e centro de saúde.

A largada da jornada será dada nesta segunda-feira (22), com a marcha de camponeses da Via Campesina, da Ponte do Guaíba (BR-116) até o local do acampamento, que começará a receber as delegações. Haverá a partir das 14h um “Seminário sobre arbitrariedades do processo contra o presidente Lula”.

Na terça-feira (23), os acampados fazem marcham até o auditório Dante Barone, na Assembleia Legislativa, para o ato das mulheres pela democracia, a partir das 10h. No período da tarde, o coordenador do MST e da Frente Brasil Popular João Pedro Stedile participa de seminário sobre a conjuntura brasileira, a partir das 14h.

O grande ato tem concentração a partir das 17h na Esquina Democrática, onde será o ato político, que será seguido por uma marcha pelo centro até o Anfiteatro Pôr do Sol, que será o local da “Grande Vigília pela Democracia”, que acompanhará a 2 quilômetros do TRF-4 o julgamento do ex-presidente Lula.

Caravanas

Organizadores de manifestações a favor do ex-presidente Lula esperam a participação de cerca de 50 mil pessoas durante os atos marcados para esta semana em Porto Alegre. No sábado (21), saiu uma caravana organizada pelo PT-DF para o acompanhamento do julgamento. Da capital federal, partiram três ônibus com 58 lugares, cada. Os veículos estavam lotados. A expectativa do partido é de que 600 ativistas brasilienses compareçam à cidade gaúcha para o julgamento.

Além de acompanhar a sessão, os grupos de militantes vão participar da agenda de atos em prol de Lula. A presença do petista, inclusive, é esperada na terça-feira (23), véspera do julgamento.

Julgamento

No dia 24, a 8ª Turma do TRF-4 vai julgar recursos da defesa de Lula e do Ministério Público Federal. Em julho do ano passado, o ex-presidente foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo a acusação, o ex-presidente beneficiou a construtora OAS em contratos om a Petrobras. Em troca, teria recebido um apartamento triplex na cidade de Guarujá, no Litoral de São Paulo, e a realização de melhorias no imóvel e o pagamento de um depósito para armazenar parte de seu acervo pessoal. A defesa do petista nega as denúncias e pede absolvição. Já o Ministério Público Federal quer o aumento da pena.

“São conservadores, reacionários (…), mas não se arriscariam a prender Lula”

A presidente deposta Dilma Rousseff (PT) concedeu entrevista ao jornalista argentino Dario Pignotti, correspondente do jornal “Pagina 12” no Brasil. Ela falou sobre o julgamento do ex-presidente Lula, no próximo dia 24, pelo TRF 4, em Porto Alegre. Dilma confirma que estará na capital gaúcha comandando a mobilização a favor de Lula e avisa: “A essa hora o que a vida exige é coragem”.

Pignotti pergunta a Dilma se ela acha que os juízes podem determinar a prisão de Lula. “Eles são loucos. São conservadores, reacionários, repressores, mas não se arriscariam a prender Lula para transformá-lo em um herói. E mais; com que justificativa prenderiam Lula? Não podem alegar que tem dificuldades de encontrá-lo porque é um homem público. Me parece que para eles seria muito complicado prendê-lo. Eu descarto essa possibilidade”, afirmou Dilma.

Comentários