Líder do governo diz que futuro do Renda Cidadã será definido após o segundo turno das eleições

“Se a gente fala agora o posicionamento vai tudo ser usado como eleitoral. É prudente deixar para depois, assim como as reformas”, afirmou Barros. (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP), disse nesta terça-feira (17) que o futuro do Renda Cidadã será definido após o segundo turno das eleições. O governo já foi e voltou no tema algumas vezes a respeito do projeto que, se apresentado e aprovado, teria a função de substituir o Auxílio Emergencial, que termina em dezembro.

“O assunto do Renda Cidadã, se a gente vai ou não fazer, como e o que será feito, tudo vai ser decidido após o segundo turno. Se a gente fala agora o posicionamento vai tudo ser usado como eleitoral. É prudente deixar para depois, assim como as reformas”, afirmou Barros.

O Planalto quer uma solução para o fim do Auxílio Emergencial, principalmente após ver a popularidade de Bolsonaro subir com a ajuda durante a pandemia. Mas a equipe econômica não consegue fechar a conta. Para gastar mais, com o financiamento do novo programa, o governo precisa reduzir despesas – e tem como meta não furar o teto de gastos.

Além do Renda Cidadã, o Congresso vai discutir após a eleição as reformas tributária e administrativa. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem articulado o tema com parlamentares aliados do governo.

Comentários