Lula pede autorização para visitar o Papa na semana que vem

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu à Justiça para adiar um interrogatório marcado para este mês com a justificativa de que o petista pretende viajar ao Vaticano para se encontrar com o papa Francisco.

Lula tem depoimento marcado na Justiça Federal de Brasília no dia 11 de fevereiro, na Operação Zelotes, na qual ele é investigado por suspeita de participar de uma suposta venda de uma medida provisória que teria atendido a interesses de empresas do setor automobilístico.

O ex-presidente sempre negou qualquer participação em esquema criminoso. O pedido para adiamento do interrogatório foi feito ao juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Criminal Federal de Brasília.

Segundo a defesa de Lula, a viagem dele ao Vaticano está agendada para o dia 12 deste mês, um dia após a data do depoimento na Justiça Federal, o que poderia trazer dificuldades logísticas nos deslocamentos.

Os advogados dizem ainda que, no dia 13, o ex-presidente vai se encontrar com o papa Francisco, com quem tem audiência agendada. A volta do petista para o Brasil está marcada para o dia 15 de fevereiro, segundo eles.

A defesa de Lula pede que seja adiado o interrogatório e afirma que, “conforme se procedeu durante todo o tramitar do feito, o peticionário declara que não deixará de comparecer a nenhum ato judicial para o qual sua presença seja obrigatória”.

Após passar 580 dias preso devido à condenação por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP), Lula deixou a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) em novembro do ano passado depois de uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre prisão em segunda instância.

O petista foi preso após ser condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP). Ele foi considerado culpado em primeira e segunda instância e depois no STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Lula também foi condenado no caso do sítio de Atibaia (SP) em primeira instância e depois no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Além das duas condenações, ele é réu em outros seis processos que tramitam tanto na Justiça Federal do Paraná como no Distrito Federal e em São Paulo.

A defesa de Lula tem negado todas as acusações desde a apresentação das denúncias e classificado a atuação dos investigadores como perseguição política.

Quando o ex-presidente Lula estava preso, em maio de 2019, ele recebeu uma carta do papa Francisco em solidariedade “às duras provas que o senhor viveu ultimamente”. No texto, o líder católico citava a morte de dona Marisa, do irmão de Lula, Genival Inácio, e do neto dele, Arthur.

A correspondência do Vaticano foi uma resposta a uma carta que o ex-presidente enviou ao papa Francisco em março.

 

 

Comentários