Mais de 57% das indústrias gaúchas paralisaram a produção por causa da pandemia de coronavírus

Uma pesquisa realizada pela Fiergs (Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul) indica que 57,4% das indústrias gaúchas paralisaram a produção por causa da pandemia de coronavírus e 15,9% tiveram uma queda intensa na atividade.

Além disso, 83,8% perceberam queda na demanda por seus produtos. O levantamento foi divulgado nesta terça-feira (31). A pesquisa consultou 193 indústrias nos dias 26 e 27 de março.

“Há problemas de toda a ordem para se manter a produção. Faltam insumos e matéria-prima, existe dificuldade de logística de transporte, cancelamento de pedidos. É fundamental o retorno gradativo às atividades, seguindo-se as recomendações de saúde, como teletrabalho e isolamento para grupos de risco, distanciamento entre pessoas, enfim, protocolos de contingência para que o ano não seja perdido ”, afirmou o presidente da Fiergs, Gilberto Porcello Petry.

Das 57,4% indústrias gaúchas sem atividade no momento, para 24,1% delas essa paralisação é por tempo indeterminado. Entre as que se mantêm operando, mais de 30% revelaram queda na produção.

Para apenas 6,7%, ocorreu aumento na demanda. Esse impacto positivo foi sentido por alguns fabricantes de produtos alimentícios, químicos, farmoquímicos e farmacêuticos.

Para lidar com o impacto da pandemia, a principal medida tomada pelas indústrias foi o trabalho domiciliar (home office), com 56,7% das respostas. A segunda providência mais utilizada, por 40,7%, foi o afastamento de empregados com sintomas, seguida de perto por férias para parte deles. A dispensa e demissão de empregados já foram adotadas por 17,5% das empresas pesquisadas.

Comentários