Mais de 80% das indústrias brasileiras têm queda de faturamento devido à pandemia de coronavírus

Pesquisa realizada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria) mostra que 82% das indústrias brasileiras tiveram queda de faturamento nos últimos 45 dias. O levantamento, divulgado nesta sexta-feira (29), foi feito a partir de entrevistas com 1.017 executivos industriais de todas as regiões do Brasil entre os dias 15 e 25 de maio. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Segundo a pesquisa, entre as empresas que tiveram queda de faturamento, 49% informaram que a diminuição foi maior do que 50%; 29%, que a queda foi de 31% a 50%; 18%, de 11% a 30%; e 4%, até 10%.

Em relação à produção, 36% dos entrevistados disseram que diminuiu muito; 16%, que ficou igual; 14%, que diminuiu mais ou menos; 13%, que foi totalmente paralisada; 12%, que diminuiu pouco; 3%, que aumentou muito; 3%, que aumentou mais ou menos; e 3%, que aumentou pouco.

Apesar da queda no faturamento e na produção, a maioria dos industriais declarou ser favorável ao isolamento social como forma de combater a disseminação do novo coronavírus: 45% disseram ser a favor do confinamento; 42%, contra; 10%, nem a favor nem contra; e 2%, não responderam ou não souberam responder.

Demissões

Questionados se já haviam feito demissões em razão dos efeitos da pandemia de coronavírus, a maioria dos executivos ouvidos na pesquisa (66%) disse que não, enquanto 34%, sim. “Os dados mostram que as medidas trabalhistas, que resultaram em mais de 8 milhões de acordos individuais para redução de jornada e salário e suspensão de contratos de trabalho, foram importantes para a preservação de empregos”, disse o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

Como principal problema financeiro enfrentado durante a pandemia, 48% dos entrevistados apontaram pagamento de impostos e tributos; 45%, salários do pessoal e encargos sociais; 27%, pagamento de faturas; 17%, pagamento de empréstimos e dívidas; 8%, aluguel; 12%, outras despesas; 1%, não soube responder; 16%, nenhum problema específico.

De acordo com o levantamento, 22% dos entrevistados disseram que suas empresas têm condições financeiras de manter as atividades em funcionamento apenas por mais um mês; 45% afirmaram que esse prazo é de no máximo três meses; 11%, de quatro a cinco meses; 12%, de seis meses a um ano; 7%, mais de um ano; e 2%, não souberam responder.

Apesar do quadro, 44% dos entrevistados afirmaram acreditar que a economia brasileira vai registrar expansão nos próximos dois anos; 32%, que haverá manutenção da situação atual; 21%, retração; e 1% não soube responder.

Comentários