Mercado financeiro aumenta a estimativa de inflação para este ano no Brasil

FONTE: O SUL – http://www.osul.com.br/

Mesmo com a decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) de reduzir mais uma vez a Selic (taxa básica de juros), o mercado financeiro elevou pela quarta semana consecutiva a previsão de inflação para 2017, passando de 3,06% para 3,08%. Já a previsão de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) foi mantida em 0,73%, segundo o Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (30) pelo BC (Banco Central).

A inflação estimada pelos economistas para este ano continua acima do piso de 3% do sistema brasileiro de metas. Entretanto, a previsão segue abaixo da meta central para a inflação em 2017, de 4,5%. No caso da inflação para 2018, a previsão do mercado ficou estável em 4,02% na última semana, abaixo da meta central, mas dentro da banda do sistema de metas (entre 3% e 6%).

PIB e juros

Além de manter a previsão de alta de 0,73% para o PIB deste ano, os analistas do mercado mantiveram para 2018 a estimativa de expansão da economia em 2,5%. Os economistas dos bancos também mantiveram a previsão para a taxa Selic em 7% ao ano em 2017. Atualmente, a Selic está em 7,5% ao ano.

Para o fechamento de 2018, a estimativa dos economistas dos bancos para a taxa Selic também ficou estável em 7% ao ano. Na quarta-feira (25), o Copom (Comitê de Política Monetária) anunciou a redução da taxa básica de juros de 8,25% para 7,5% ao ano. Esse foi o nono corte consecutivo na Selic, o que levou a taxa ao menor patamar desde abril de 2013, ou seja, em pouco mais de quatro anos.

Câmbio, balança e investimentos

Na edição desta semana do Boletim Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2017 subiu pela segunda semana consecutiva, de R$ 3,16 para R$ 3,19. Para o fim de 2018, os economistas ouvidos pelo Banco Central estimam que o dólar ficará em R$ 3,30, a mesma previsão das últimas seis semanas.

A projeção do Boletim Focus para a balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2017 subiu de US$ 64,7 bilhões para US$ 65 bilhões de resultado positivo. Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit avançou de US$ 51,5 bilhões para US$ 52,2 bilhões.

A previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil em 2017 permaneceu em US$ 75 bilhões. Para 2018, a estimativa dos analistas também ficou estável em US$ 80 bilhões.

Incerteza

O Indicador de Incerteza da Economia, da Fundação Getulio Vargas, recuou 8,3 pontos entre setembro e outubro, ao passar de 119,3 pontos para 111 pontos. Após o quarto recuo consecutivo, o indicador atinge o menor nível registrado desde fevereiro de 2015.

“Esse é um registro histórico importante para o indicador de incerteza da economia. Após quase três anos oscilando acima dos 120 pontos, e com muita volatilidade, o IIE-Br parece registrar o encerramento desse longo período de incerteza econômica muito elevada, motivada principalmente por eventos políticos, como a cassação da Presidente Dilma Roussef e e a divulgação dos áudios do Presidente Temer. Embora ainda existam riscos no campo político, parece que a economia, pelo menos por um tempo, se isolou da política. Agora é aguardar os próximos eventos e torcer para que a incerteza continue baixa, permitindo maiores investimentos e consumo”, afirmou o economista Pedro Costa Ferreira.

Comentários