Ministério da Economia diz que vacinação possibilitará melhora da economia brasileira

Após anúncio do tombo de 4,1% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2020, a Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia avaliou nesta quarta-feira (03) que as incertezas econômicas “continuam elevadas” e acrescentou que o primeiro trimestre deste ano será “desafiador”. A pasta ainda afirmou que a vacinação deve contribuir para uma melhora no cenário.

“No entanto, a manutenção da política monetária em terreno acomodatício [juros básicos ainda baixos], a expansão da vacinação, a consolidação fiscal [melhora nas contas públicas] e a continuidade das reformas estruturais possibilitarão a elevação da confiança e maior vigor da atividade ao longo do ano”, informou.

Segundo o Ministério da Economia, o crescimento da atividade econômica passa ainda pela continuidade da agenda de reformas, consideradas fundamentais para equilibras as contas públicas.

Essas medidas, segundo avaliação do governo, fazem parte de uma “estratégia fundamental para a manutenção do crescimento da economia em taxas superiores às observadas nos últimos anos”.

De acordo com a área econômica, o resultado do PIB de 2020, embora negativo, mostra reversão das estimativas de mercado e de organismos internacionais ao longo do ano, que indicavam retração ainda mais aguda – algumas estimativas de queda do PIB superavam 9%.

“Merece destaque a forte recuperação da atividade no segundo semestre, fruto da pronta resposta da economia brasileira às medidas de política econômica de combate aos efeitos da pandemia de coronavírus (Covid19)”, acrescentou.

Comparação internacional

Na comparação internacional, informou a Secretaria de Política Econômica, o PIB do Brasil em 2020 teve recuo “moderado” na comparação com outros países.

“O Brasil apresentou resultado melhor que outros países da América Latina, como México (-8,7%) e Colômbia (-6,8%), e países do G7, a exemplo do Reino Unido (-9,9%), da Alemanha (-5,3%) e do Japão (-4,8%). O PIB do Brasil ficou também relativamente próximo do desempenho dos EUA em 2020 (-3,5%)”, acrescentou.

Previsão para 2021

Para 2021, o Ministério da Economia lembrou que a previsão oficial é de uma alta de 3,2% para o PIB brasileiro. “Contudo, para continuar avançando ainda mais, é necessária a aprovação das reformas estruturais e das medidas que viabilizem a consolidação fiscal”, informou.

Após a aprovação da lei do saneamento básico em 2020, assim como a legislação de licitações e de falências, o Ministério da Economia informou que novos marcos legais “seguem sendo aprimorados e serão aprovados ao longo de 2021, como é o caso da nova lei do gás e do novo marco legal de cabotagem”.

“Ademais, existe um amplo rol de medidas referentes à melhoria da segurança jurídica, correção da má alocação de recursos, aumento da produtividade e consolidação fiscal em debate no Congresso Nacional. Todas essas medidas em conjunto permitirão um aumento gradativo da confiança na economia brasileira e serão determinantes na agenda econômica de 2021”, concluiu.

Comentários