Ministério da Saúde confirma primeiro caso de coronavírus no Brasil


De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (foto), o paciente chegou assintomático e, depois de alguns dias, procurou um serviço de saúde com sintomas respiratórios
Foto: Reprodução de TV

O Ministério da Saúde confirmou, em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (26), o primeiro caso do novo coronavírus no Brasil. Trata-se de um brasileiro de 61 anos que foi atendido no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele esteve na Itália, que já registrou mais de 320 casos. Um exame preliminar já havia dado positivo para o vírus.

De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o paciente chegou assintomático e, depois de alguns dias, procurou um serviço de saúde com sintomas respiratórios. O hospital Albert Einstein registrou a suspeita, fez um teste, que deu positivo. O caso foi para o Instituto Adolfo Lutz para contraprova, que foi concluído rapidamente, em três horas, comprovando a infecção por coronavírus. A média de conclusão do exame é de três dias.

“Passamos a uma nova fase de providências, no sentido de mitigar os efeitos da doença em SP e em todo Brasil. Nosso comitê de emergência está reunido em SP, e de tarde vamos nos juntar a eles para falar sobre o que deve ser feito. Não muda muito com relação aos casos suspeitos, mas agora temos uma patologia confirmada”, afirmou Mandetta. Segundo o ministro, é possível que o número de casos suspeitos aumente no Brasil, porque aumentou o número de países com mortes.

O coronavírus é conhecido desde 1960. A doença provocada pelo novo coronavírus, chamada de Covid-19, está sendo investigada, mas apresenta gravidade moderada a leve, segundo o Ministério da Saúde. Cada pessoa infectada pode transmitir para duas ou três pessoas, em alguns casos chegando a sete. Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o período de incubação varia de 0 a 14 dias, mas já há estudos apontam que os sintomas aparecem de 9 a 10 dias.

Um estudo feito com 44 mil pessoas com casos confirmados apontou que a maioria dos infectados tinham idade entre 40 e 69 anos. Destes, 1.023 morreram. Os quadros mais graves deste estudo apareceram em pessoas acima de 60 anos.

São Paulo

Na última terça-feira (25), o ministério comunicou que estava investigando um caso suspeito de um homem de 61 anos que viajou à região da Lombardia, no Norte da Itália, entre 9 e 21 de fevereiro. O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, declarou que o primeiro teste havia dado positivo, mas era necessário uma contraprova, conforme já indicavam o protocolo anunciado pelo governo brasileiro.

Na terça-feira, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou nota informando que, em virtude do resultado preliminar positivo de contaminação pelo coronavírus, solicitou à companhia aérea que trouxe o brasileiro da Itália a lista completa de passageiros e tripulantes.

Segundo comunicado da Anvisa, a lista de nomes será repassada para o Cievs (Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde) “para investigação de outros passageiros do voo que tiveram contato com o caso suspeito”.

Comentários