Ministério Público deflagra operação sobre atuação de facção criminosa no Rio Grande do Sul

O MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul), por meio da Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre, cumpriu na manhã desta quinta-feira (02) três mandados de prisão preventiva e 14 de busca e apreensão em residências de investigados e em celas de penitenciárias.

O objetivo foi localizar drogas, armas, documentos e mídias eletrônicas acerca da atuação de organização criminosa especializada em tráfico de armas, tráfico de drogas, receptação de veículos e lavagem de dinheiro. Os mandados foram cumpridos em Uruguaiana, Charqueadas e Canoas, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

A investigação que culminou na operação desta quinta-feira teve início no segundo semestre de 2019, a partir de informações obtidas durante revista em galeria da CPPA (Cadeia Pública de Porto Alegre) – antigo Presídio Central –, local em que estão alojados, predominantemente, os detentos denominados “Os Manos”. Na ocasião, foi possível identificar as ações do grupo na prática dos delitos investigados.

Conforme o promotor de Justiça Ricardo Herbstrith, da análise das informações obtidas, foi possível determinar a existência de uma célula criminosa atuante na cidade de Uruguaiana, responsável pelo fornecimento de armas e munições para a Região Metropolitana de Porto Alegre e Vale do Sinos.

Herbstrith destacou que a operação deflagrada é de extrema importância no combate ao crime organizado porque revela uma irradiação dessa organização criminosa para a fronteira, trazendo drogas e levando armas para a região metropolitana.

“Temos a certeza que, a partir desta operação, conseguimos desmantelar uma importante ramificação da facção, no sentido de limitar e diminuir sua atuação, propiciando mais segurança à população gaúcha”, ressaltou.

Integração

A operação foi realizada por integrantes da Promotoria de Justiça Especializada Criminal de Porto Alegre e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, com o apoio da Promotoria Criminal de Uruguaiana, da Brigada Militar, por meio do 1º Batalhão de Policiamento de Área de Fronteira e Inteligência, Polícia Civil, Polícia Federal e Susepe (Superintendência dos Serviços Penitenciários).

O promotor Herbstrith enalteceu essa integração interinstitucional entre o MP, a BM, que apoiou no cumprimento dos mandados, a Polícia Civil, que auxiliou nas investigações, a Susepe, que realizou as buscas dentro da Penitenciária Modulada de Uruguaiana, e a PF, que colaborou na localização e levantamento de alguns alvos.

Comentários