Na China, ministro da Fazenda Henrique Meirelles fala em 269 bilhões de dólares em investimentos, mas não detalha em quais projetos

Ao falar a empresários brasileiros e chineses em Xangai, nesta sexta (2), o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) apontou para a possibilidade de investimentos em projetos de infraestrutura na casa de US$ 269 bilhões no prazo de quatro anos.

Segundo o ministro, não se trata de um compromisso do governo, mas de um mapa de oportunidades até o meio de 2020 para mostrar aos investidores. “É uma estimativa do número de projetos que poderão ser feitos e estarão disponíveis no Brasil, em infraestrutura”, disse em entrevista.

“É uma projeção de oportunidades de projetos nos próximos três a quatro anos, será detalhado pelo Moreira Franco [secretário do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos)] no mês de setembro, não necessariamente nesse número [US$ 269 bilhões], mas ele vai detalhar pelo menos a primeira parte do programa”, disse o ministro.

O número é bem superior aos R$ 31 bilhões previstos para o plano de concessões de Michel Temer. O governo estuda oferecer à iniciativa privada quatro aeroportos, duas ferrovias e um terminal portuário. Dos sete projetos em discussão, seis estavam no último plano lançado por Dilma.

No projeto de LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2017, a receita estimada com concessões e permissões é R$ 24 bilhões.

De acordo com Meirelles, os projetos abarcam concessões, outorgas e privatizações em infraestrutura, incluindo também óleo e gás; parte dos projetos já pode ter sido discutida anteriormente.

O ministro aproveitou para argumentar que não há erosão em confiança na economia. “Minha medida de confiança do mercado está expressa nos índices de confiança. Como mencionei, seja do comércio, da indústria, de serviços e do consumidor. E esses índices estão subindo fortemente, então a confiança não está sendo erodida.”

Meirelles defendeu que é natural que as medidas propostas pela gestão Temer não sejam aprovadas do dia para a noite.

“Exatamente porque estamos, pela primeira vez em 28 anos, fazendo a mudança estrutural das contas públicas, das despesas, o que envolve mudança na Constituição, é um processo que tem que demorar alguns meses. Não existe país que faz uma mudança constitucional dessa dimensão em poucos dias ou semanas.”

Meirelles integra a comitiva do presidente Michel Temer, que chegou à China nesta sexta para participar da cúpula do G20 e de outras agendas paralelas.

Neste sábado, Meirelles se encontra com o secretário do Tesouro americano, Jack Lew.

ENCONTRO COM XI

Após encontro com empresários, na manhã desta sexta, Michel Temer voou para Hangzhou, onde teve uma reunião bilateral com o presidente Xi Jinping.

Segundo relatou o ministro José Serra (Relações Exteriores), Xi “abriu boas perspectivas” em assuntos como a possibilidade de acelerar o reconhecimento de frigoríficos brasileiros e mostrou boa vontade a respeito de exportações de aeronaves pelo Brasil.

Também se falou, segundo Serra, da continuidade de financiamento à Petrobras e sobre o interesse de investimento dos chineses em infraestrutura no Brasil.

Serra afirmou, ainda, que Xi convidou Temer para uma visita de Estado, ainda sem data para ocorrer.

Comentários