“Nenhum país no mundo venceu o coronavírus apenas com aumento de leitos”, diz o governador gaúcho

Leite participou de reunião virtual de comissão do Senado. (Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini)

O governador Eduardo Leite participou, nesta segunda-feira (15), de uma reunião virtual da Comissão Temporária Covid-19 do Senado. Durante o encontro, que contou com a presença de diversos governadores, ele disse que “nenhum país no mundo venceu o coronavírus apenas com aumento de leitos”.

“O Senado da República é um espaço muito importante neste momento para que possamos buscar e promover o alinhamento de ações, a coordenação da qual o País precisa no enfrentamento à pandemia. Essa nação não é o governo, somos todos nós, e o Senado tem essa função de ser a casa da Federação e tem toda a legitimidade para ajudar a promover uma melhor interação entre os Estados”, destacou Leite.

Ele apresentou um panorama sobre a situação do coronavírus no Rio Grande do Sul. Nas últimas semanas, a taxa de ocupação de leitos de UTI no Estado ficou acima dos 100%. Nos próximos dias, o Estado abrirá mais 183 leitos de UTI adulto SUS. O acréscimo fará com que a ampliação da capacidade hospitalar da rede pública estadual chegue a 157% – de 933 leitos em março de 2020 para 2.397 em março de 2021.

“A escalada de casos que estamos observando desde o começo de fevereiro é cinco vezes maior, mais agressiva, do que vimos nas outras duas ondas [no inverno e em meados de novembro]. Fizemos uma expansão e já são mais de 2,3 mil leitos de UTI SUS, mas nenhum país no mundo venceu o coronavírus apenas com aumento de leitos, nem os mais ricos e robustos. Todos tiveram de adotar um tipo de distanciamento”, destacou.

Para o governador, até que haja doses suficientes de vacinas para imunizar a população, o distanciamento se impõe. “O País precisa ver suportes de mecanismo de mitigação dos efeitos econômicos, e aí entra a questão do auxílio emergencial, de modo a reduzir essa tensão que estamos enfrentando na ponta, os governadores e os prefeitos”, disse.

Leite também fez um apelo ao Senado para que ajudem na articulação internacional. “O Senado pode nos ajudar a exigir que o País se articule internacionalmente para adiantar a entrega de vacinas. Não adianta só comprar vacinas que vão chegar em outubro ou novembro, precisamos agilizar o cronograma e, para isso, é preciso contar com a solidariedade de organismos internacionais”, reforçou.

Especialistas apontam que, caso o Brasil siga vacinando a população apenas em pequenos grupos em uma velocidade lenta, isso pode fornecer uma oportunidade ao vírus para se fortalecer e se tornar mais resistente.

Comentários