“Ninguém pode ser deixado para trás, não importa a idade”, ressaltou o governador Eduardo Leite sobre a pandemia do coronavírus

Em mais uma transmissão ao vivo, desta vez, diretamente do Gabinete de Crise, no Caff (Centro Administrativo Fernando Ferrari), em Porto Alegre, o governador Eduardo Leite reforçou, nesta quarta-feira (25), o esforço que o Rio Grande do Sul vem fazendo para minimizar o número de vítimas fatais do Covid-19.

“Estamos atuando com todas as forças, alinhados aos municípios e ao Ministério da Saúde para dar condições de atendimento necessário a todos. Não interessa a idade. Não queremos perder ninguém. Sabemos que teremos perdas, mas vamos lutar para que seja o menor número possível. Não importa a idade, ninguém pode ser deixado para trás”, afirmou.

O governador adotou, diariamente, a partir desta quarta-feira, às 14h, a transmissão ao vivo, como forma de informar a população a respeito das ações tomadas pelo governo do Estado para desacelerar a propagação do coronavírus. Antes de apresentar as novidades, Leite lamentou a morte da primeira vítima da doença, uma senhora de 91 anos, que faleceu na terça-feira (24), em Porto Alegre.

Leite também respondeu a perguntas da imprensa e destacou a importância da ciência no momento de enfrentamento do vírus. “Devemos preservar, em primeiro lugar, as vidas, e em segundo lugar, os empregos. Sabemos que esse período de isolamento trará consequências econômicas e estamos estudando maneiras de amenizá-las, sempre respeitando as orientações do Ministério da Saúde. Enquanto não há uma alternativa, o melhor é que quem puder, fique em casa”, destacou.

Governador atualiza projeções da evolução do vírus no Estado

A Seplag (Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão), liderada pela secretária Leany Lemos, tem projetado, com base na evolução da Covid-19 em outros países, como Alemanha, Itália, França, Espanha, Coreia do Sul e China, possíveis cenários para o avanço do coronavírus no Rio Grande do Sul.

O estudo já havia sido apresentado a parlamentares, empresários e líderes de entidades anteriormente e foi atualizado nesta semana. De acordo com os dados, a trajetória do vírus no Brasil se assemelha à da França, e o Rio Grande do Sul, por sua vez, segue trajetória similar à do Brasil.

A Seplag estima que, se o RS entrar em um cenário agressivo, sejam detectados 421 casos até o dia 27 de março, sete dias após o diagnóstico do 50° caso. Em 14 dias depois desse diagnóstico, em 3 de abril, em um cenário agressivo, o RS terá mais de 3,5 mil casos. Há, ainda, projeções para um cenário moderado e extremo. Vale lembrar que o primeiro caso confirmado de coronavírus foi registrado em 10 de março.

Ministério da Saúde disponibiliza R$ 35 milhões para o RS

O governador Eduardo Leite também destacou que a portaria 480 do Ministério da Saúde disponibilizou R$ 35 milhões para o enfrentamento do coronavírus no Rio Grande do Sul.

A Secretaria da Saúde, junto à Comissão Bipartite, definirá como será a divisão desses recursos entre os municípios. Do total de R$ 35 milhões, R$ 32 milhões serão destinados a prefeituras para que possam montar a estrutura necessária, como clínicas e centros de triagem.

O governador também detalhou uma conversa com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, a fim de reforçar o pedido de apoio técnico, troca de experiências e intermediação com empresas que fornecem materiais e equipamentos necessários ao Estado neste momento.

“Também estou conversando com a iniciativa privada gaúcha. Há empresas que podem se mobilizar para garantir a produção local desses materiais e equipamentos que serão muito importantes neste momento”, destacou Leite.

O governador Eduardo Leite também revelou que, nos próximos dias, será lançado um portal sobre a doença, computando diariamente o número de casos, as cidades onde se encontram os casos confirmados e o número de mortes.



Comentários