Número de mortes por covid-19 no País chega próximo a 2 mil

Em meio à troca de comando, o Ministério da Saúde divulgou nesta quinta-feira (16) novo balanço das mortes e casos relacionados à pandemia do novo coronavírus. Os óbitos totalizaram 1.924, enquanto as pessoas infectadas chegaram a 30.425. O número de falecimentos é 10% superior ao divulgado na quarta-feira (15), quando foram contabilizadas 1.736 mortes. Nas últimas 24 horas 188 pessoas morreram, menos do que nos dois dias anteriores, quando foi batido o recorde de 204 novas mortes.

O total de casos confirmados nesta quinta marcou um aumento de 7% em relação ao de quarta, quando foram registrados 28.320 casos confirmados. O número de novos casos confirmados nas últimas 24 horas foi de 2.105, menos do que os 3.058 anunciados na quarta.

São Paulo concentra o maior número de falecimentos (853), quase três vezes o número do segundo colocado, o Rio de Janeiro (300). Os Estados são seguidos por Pernambuco (160), Ceará (124) e Amazonas (124).

Além disso, foram registradas mortes no Paraná (41), Maranhão (37), Minas Gerais (33), Bahia (30), Santa Catarina (29), Pará (24), Paraíba (24), Rio Grande do Norte (20), Rio Grande do Sul (19), Espírito Santo (22), Distrito Federal (20), Goiás (16), Piauí (8), Amapá (7), Alagoas (5), Sergipe (4), Mato Grosso do Sul (5), Mato Grosso (5), Acre (5), Roraima (3), Rondônia (3) e Tocantins (1).

A taxa de letalidade do País ficou em 6,3%, mesmo índice registrado na quarta-feira.

“É uma guerra”, diz ministro da Defesa sobre combate ao coronavírus

O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, acompanhou nesta quinta-feira (16), no Rio de Janeiro, ações do Comando Conjunto do Leste de combate ao coronavírus. Em conversa com jornalistas, o general do Exército destacou a integração de sua pasta com o Ministério da Saúde desde o início da crise.

“Para vocês terem uma ideia, as Forças Armadas empregaram, no dia de ontem, cerca de 29 mil militares para ajudar no combate a esse inimigo feroz, que é o coronavírus”, disse o ministro. “É uma guerra, e as Forças Armadas estão nela.”

Azevedo e Silva afirmou que a atuação vem desde a operação para a repatriação dos brasileiros que estavam em Wuhan, em fevereiro, até a desinfecção de áreas públicas, reforço à faixa de fronteira e operações logísticas.

O ministro avaliou que o Brasil e os demais países deverão repensar, no futuro, sua dependência em relação a produtos estratégicos, como os da área de saúde.

“Passada essa fase que estamos vivendo, vamos ter que repensar. O mundo vai ter que repensar. A gente vai ter que diversificar as coisas estratégicas nossas. É um trabalho que já está sendo coordenado pela Presidência da República. A Casa Civil já tem um grupo de trabalho instituído para começar a pensar isso”.

Em visita à sede do Comando Militar do Leste, o ministro foi apresentado a ações que vem sendo desenvolvidas pelos militares nos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro. Segundo o porta voz do Comando Conjunto do Leste, coronel Carlos Diego Barros, 4,5 mil militares foram mobilizados para atuar no combate ao coronavírus nos três estados.

Os militares do Exército realizaram nesta quinta, na Central do Brasil, a desinfecção de veículos do trem e metrô, enquanto equipes da Marinha fizeram o mesmo no Veículo Leve sobre Trilhos. Os militares também já atuaram em campanhas de vacinação e no apoio logístico às três unidades da federação.

Comentários