O mercado financeiro aumenta a estimativa de crescimento da economia brasileira e prevê inflação menor em 2017 e 2018

FONTE: O SUL – http://www.osul.com.br/

Os economistas do mercado financeiro elevaram novamente a sua estimativa para o crescimento da economia brasileira neste ano e em 2018, passaram a prever um comportamento melhor da inflação e também uma queda mais forte da taxa básica de juros. As previsões, coletadas pelo BC (Banco Central), foram divulgadas nesta segunda-feira (11) por meio do Boletim Focus.

De acordo com o levantamento, a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deve ficar em 3,14% em 2017. No relatório anterior, os economistas estimavam que a inflação ficaria em 3,38%.

A nova previsão mantém a inflação abaixo da meta central para o ano, que é de 4,5%. A meta para o IPCA é fixada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional) e deve ser perseguida pelo Banco Central, que, para alcançá-la, eleva ou reduz a taxa Selic.

A meta central de inflação não é atingida no Brasil desde 2009. Na época, o País ainda sentia os efeitos da crise financeira internacional de forma mais intensa. Para 2018, a previsão do mercado financeiro para a inflação recuou de 4,18% para 4,15%. O índice segue abaixo da meta central (que também é de 4,5%) e do teto de 6% fixado para o período.

PIB e juros

Para o PIB (Produto Interno Bruto) de 2017, o mercado financeiro elevou a sua estimativa de crescimento de 0,50% para 0,60%. Essa foi a terceira alta consecutiva. Para 2018, os economistas das instituições financeiras aumentaram a estimativa de expansão da economia de 2% para 2,10%.

As estimativas de crescimento começaram a subir com mais intensidade após a divulgação do resultado oficial do PIB do segundo trimestre deste ano, que avançou 0,2% contra os três primeiros meses deste ano.

O mercado financeiro também baixou a sua previsão para a taxa básica de juros da economia de 7,25% para 7% ao ano para o fechamento de 2017. Atualmente, a Selic está em 8,25% ao ano.

Ou seja, os analistas continuaram estimando uma redução dos juros neste ano. Se o patamar previsto de 7% ao ano for atingido no fim de 2017, esse será o menor nível já registrado (até então a menor taxa era de 7,25% ao ano).

Para o fechamento de 2018, a estimativa dos economistas dos bancos para a taxa Selic recuou de 7,5% para 7,25% ao ano. Com isso, eles seguem prevendo que os juros deverão subir um pouco no ano que vem.

Câmbio, balança e investimentos

Na edição desta semana do Boletim Focus, a projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2017 permaneceu eu R$ 3,20. Para o fechamento de 2018, a previsão dos economistas para a moeda norte-americana ficou estável em R$ 3,35.

A projeção do Boletim Focus para o resultado da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações) em 2017 subiu de US$ 61,3 bilhões para US$ 61,5 bilhões de resultado positivo. Para o próximo ano, a estimativa dos especialistas do mercado para o superávit cresceu de US$ 48 bilhões para US$ 49 bilhões.

A previsão para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2017, permaneceu em US$ 75 bilhões. Para 2018, a estimativa dos analistas ficou estável também em US$ 75 bilhões.

Comentários