Operação fecha asilo clandestino e prende duas pessoas em Porto Alegre

Um estabelecimento clandestino que atuava como casa geriátrica, na zona sul da Capital, foi fechado pela Prefeitura, nessa quarta-feira (09). Duas pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Civil. A operação foi organizada a partir de uma denúncia de abandono e maus tratos a residentes do asilo. A polícia verifica também uma morte suspeita de uma idosa no último fim de semana.

No local, foram encontrados 18 residentes, a maioria deles idosos. De acordo com o secretário municipal de Segurança Pública, Rafael Oliveira, a casa não possuía condições mínimas para acolher as pessoas. “O cheiro é horrível. Não há uma higiene mínima para que essas pessoas possam viver com saúde. Os pacientes estavam aqui no meio de fezes e urina, alguns deles amarrados à cama e com situações gravíssimas de saúde, sem condição técnica de receber uma alimentação”, relatou.

A situação se agravou na madrugada de sábado para domingo, quando uma idosa de 68 anos morreu depois de ser encaminhada a um hospital. A polícia descobriu, também, que outro paciente, de 38 anos, internado por razões psiquiátricas, tinha morrido por sintomas parecidos. Segundo a Polícia Civil, nenhum dos dois apresentava marcas de violência, mas ainda está sendo investigado se as mortes podem ter sido causadas por negligência.

A operação contou com membros da Polícia Civil e dos órgãos de fiscalização e assistência social da Prefeitura e representantes da Corregedoria do Tribunal de Justiça e da Procuradoria do Idoso. Três equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestaram auxílio aos idosos. Pelos registros da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, atualmente existe 141 estabelecimentos autorizados a atuar como clínicas geriátricas regulares na Capital.

Comentários