Papa adverte para o risco da violência contra mulheres pelo confinamento

O papa Francisco advertiu nesta segunda-feira (13) que a violência doméstica contra as mulheres pode aumentar em consequência das medidas de confinamento impostas contra a pandemia de coronavírus.

“Hoje gostaria de recordá-los do que muitas mulheres fazem, inclusive neste momento de emergência de saúde, para cuidar de outros: médicas, enfermeiras, agentes das forças de segurança e agentes penitenciárias, funcionárias de lojas de produtos de primeira necessidade… e muitas mães e irmãs que estão trancadas em casa com toda a família, com crianças, idosos e deficientes”, declarou o papa após a tradicional oração do Angelus.

“Às vezes correm o risco de ser submetidas à violência por uma convivência da qual levam uma carga muito grande”, destacou. “Oramos por elas, que o Senhor lhes dê forças e que nossas comunidades possam apoiá-las ao lado de suas famílias”.

O governo italiano liberou uma verba de 30 milhões de euros para a prevenção da violência contra as mulheres, submetidas a um “alto risco pelas proibições de deslocamento”, anunciou na quarta-feira a ministra da Igualdade e Família, Elena Bonetti.

Ela também anunciou uma campanha de comunicação institucional para estimular as mulheres vítimas da violência a ligar para um número habilitado e denunciar as agressões, além de um “reforço das funções do aplicativo YouPol, que pode ser utilizado para alertar [a polícia] sobre atos de violência doméstica”.

Comentários