Papa defende união civil entre homossexuais em documentário

“São filhos de Deus e têm direito a uma família”, afirmou o papa. (Foto: Divulgação/Vaticano)

O papa Francisco defende, no filme “Francesco”, que entrou em cartaz nesta quarta-feira (21) na Itália, que os homossexuais sejam protegidos por leis de união civil. “As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”, diz ele no documentário.

“O que precisamos criar é uma lei de união civil. Dessa forma eles são legalmente contemplados. Eu defendi isso”, ele afirmou. É a primeira vez que o papa se pronuncia abertamente em favor da união civil homossexual. Francisco já havia pregado o respeito aos gays, mas até então dizia que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não está “no desenho de Deus”.

Em 2010, ainda arcebispo de Buenos Aires, Francisco se opôs publicamente aos esforços para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Argentina. No ambiente privado, no entanto, ele aprovaria a ideia.

Segundo um texto de 2014, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio chegou a dizer que estava aberto a aceitar a união civil como uma alternativa ao casamento entre pessoas do mesmo gênero. Ele seria contra o “casamento gay”, mas concordaria que pessoas em união estável têm direitos.

O filme foi exibido no Festival de Roma nesta quarta-feira (21) e, no domingo (25), deve passar nos Estados Unidos durante o Savannah Film Festival. O filme aborda temas como a pandemia, racismo e abuso sexual, além de assuntos de geopolítica.

O jornal argentino “La Nación” adiantou que o filme apresenta um italiano gay, que vive em Roma, com três filhos. Ele teria escrito ao papa pedindo para enviar as crianças à paróquia, mas que tinha receio de que fossem discriminadas. O papa teria incentivado o homem a enviar as crianças, sem fazer julgamentos em relação à família formada por pais gays.

Comentários