Pesquisa pode estar perto de descobrir cura para o HIV

Um novo tratamento, ainda em fase de testes, desenvolvido por um time de cientistas de cinco grandes universidades do Reino Unido – Oxford, Cambridge, Imperial College London, King’s College London e University College London – pode finalmente trazer a cura para a Aids.

Por enquanto, há um caso de sucesso: um paciente britânico de 44 anos, que não teve sua identidade revelada e faz parte de um grupo com 50 voluntários está com o vírus completamente indetectável em seu sangue, de acordo com os pesquisadores.

“Esta é a primeira tentativa de cura total para o HIV”, disse Mark Samuels, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas em Saúde. “Estamos explorando a possibilidade real de curar o HIV. Este é um grande desafio, e ainda estamos no início, mas o progresso tem sido notável.”

Os primeiros resultados dos testes devem ser publicados em 2018. Atualmente, as terapias antirretrovirais são capazes de impedir a multiplicação do vírus, mas não de erradicá-lo, por isso os medicamentos devem ser tomados para o resto da vida, e assim o HIV fica indetectável no sangue, mas o vírus continua em estado dormente. Esse é justamente o alvo da terapia em teste.

Na primeira fase do estudo, os participantes recebem uma vacina que ajuda o corpo a reconhecer células infectadas pelo HIV. Depois, uma nova droga, batizada como Vorinostat, ativa as células com o vírus dormente, para que possam ser identificadas pelo sistema imunológico.

Os pesquisadores alertam, porém, que os resultados são preliminares.

Comentários