Polícia Federal concede coletiva sobre prisão de Michel Temer

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) concederam coletiva de imprensa, na tarde desta quinta-feira (21), sobre a prisão do ex-presidente Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco. A coletiva ocorreu na sede da PF, no Rio de Janeiro.

Conforme o MPF, um grupo criminoso comandado pelo ex-presidente Michel temer teria recebido R$1, 8 bilhão em propina. Integrando a Lava Jato, a investigação ocorre por meio da Operação Descontaminação.

Os procuradores da República afirmaram, ainda, que os envolvidos monitoravam os agentes da PF, durante suas movimentações. O procurador Eduardo El Hage destacou a periculosidade dos investigados, em relação aos valores desviados. “Esse valor é firmado e colocado na peça para mostrar o quão perigosa é a organização criminosa”, ressalta El Hage. Ele também defende que não haverá leniência, por se tratar de um homem branco e rico.

De acordo com o delegado regional de Combate ao Crime Organizado da PF, Rodrigo de Sousa Alves, oito pessoas já foram presas e duas estão sendo procuradas pela polícia.

Também se manifestou a procuradora da República Fabiana Schneider, integrante da força-tarefa da Lava Jato no RJ, com detalhes da operação. Ela sustentou que o coronel Lima, atua na Argeplan, desde a década de 1980. A procuradora afirmou que “Existe uma planilha que demonstra que promessas de pagamentos foram feitas ao longo de 20 anos para a sigla MT – ou seja, Michel Temer.

Comentários