Preço de passagens aéreas deve cair com novas regras, diz associação de empresas

O presidente da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), Eduardo Sanovicz, afirmou nesta quarta-feira (14) que a mudança no regulamento de direitos dos passageiros aprovada pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) vai baratear o preço das passagens aéreas. Entre as regras alteradas pela Anac em reunião nesta terça-feira (13) está a que permite que as empresas aéreas cobrem por bagagens despachadas.

“Eu posso garantir que você terá modalidade de passagens aéreas mais baratas. E eu posso afirmar isso com base na experiência mundial. Ao redor do planeta, em todos os países que esse modelo foi apresentado, as passagens caíram”, afirmou Sanovicz.

De acordo com Sanovicz, já no próximo ano os consumidores conseguirão ver uma mudança no preço do bilhete aéreo. Sanovicz afirmou que o novo regulamento aprovado pela agência é um avanço, mas a associação queria outras mudanças, como a que isentaria as companhias aéreas por atrasos e cancelamentos que não fossem de sua responsabilidade, como, por exemplo, casos em decorrência de problemas climáticos.

No regulamento de direitos e deveres do consumidor a Anac manteve a obrigação de assistência aos passageiros em casos de atraso ou cancelamentos de voos. Após mais de uma hora de atraso as empresas devem ofertar meios de comunicação para os passageiros, após mais de duas horas as companhias devem oferecer alimentação e após mais de quatro horas devem ofertar acomodação adequada ou hospedagem.

O presidente da Abear afirmou que o setor espera que, com a queda estimada no preço de algumas modalidades de passagens aéreas, quem deixou de voar em 2015 e 2016 volte a usar esse meio de transporte. A demanda área doméstica está caindo há 15 meses consecutivos.

No caso das bagagens, afirmou Sanovicz, a decisão sobre qual o volume e o peso que será liberado para bagagem de mão, além dos 10 quilos determinados pela Anac, depende da decisão de cada empesa. As companhias, por exemplo, poderão fazer pacotes ofertando franquia de bagagem mais barata para determinados horários e destinos.

Excesso de bagagem

As empresas também terão que informar no momento da compra qual o preço que será cobrado para excesso de bagagem.

Se o consumidor comprar uma passagem sem direito de despachar bagagem e no dia da viagem ele tiver que despachar, a empresa terá que cobrar o valor informado no ato da compra do bilhete. Se a empresa não informar no contrato quanto cobrará pela bagagem extra ela terá que despachar a bagagem sem cobrar por isso.

Extravio

A agência reduziu para 7 dias o prazo que as empresas têm para devolver malas extraviadas em voos domésticos e para 21 dias as bagagens extraviadas em voos internacionais.

Comentários