Prefeitura anuncia novas medidas de enfrentamento ao coronavírus em Porto Alegre

Prefeito Sebastião Melo fez apelo para a população não ocupar os espaços públicos. (Foto: Reprodução/ Redes Sociais Prefeitura de Porto Alegre)

Em uma live nas redes sociais da Prefeitura de Porto Alegre nesta quinta (25), às 13h, Sebastião Melo anunciou novas medidas de enfrentamento ao coronavírus na cidade. Ele começou relatando sua viagem à Brasília e a conversa com o ministro Pazuello. “Eu acredito na palavra política e o ministro disse que nós temos autorização para encaminhar as nossas necessidades e que o ministério atenderá”, disse.

Logo depois, Melo, então, afirmou que é preciso manter as atividades econômicas e a geração de renda e emprego, e anunciou as medidas. “A primeira é a solicitação aos hospitais das redes pública e privada para abertura de todos os leitos possíveis, com a garantia de recursos por parte da Prefeitura”, completou. A segunda decisão é que a partir desta sexta-feira (26) nenhum passageiro em pé será permitido nos ônibus da capital. “Também será ampliado o número de ônibus nos horários de pico”, avisou. Há a ideia de se reunir com a cadeia produtiva de Porto Alegre para se pensar em horários diferenciados de funcionamento das diferentes atividades econômicas.

Depois, outra medida anunciada foi o fechamento de museus e espaços culturais da Prefeitura. “Também determinamos que toda atividade não essencial dos funcionários da Prefeitura será feita em home office”, disse Melo. O Prefeito também fez uma sugestão ao governador do Estado, Eduardo Leite, de que amplie o horário de funcionamento dos supermercados. “Não deu certo fechar às 20h, colocamos ontem equipes andando pela cidade e as aglomerações ainda acontecem”, disse.

Em relação aos espaços públicos, Melo revela que há uma profunda discussão, mas a decisão ainda não é o fechamento. “Queremos fazer um apelo: não ocupem os espaços públicos. Não vamos em um primeiro momento fechar a orla, mas se a população não atender, vamos fechar. Não gostamos de fazer nada com decreto, mas se a população não ajudar, vamos ter que fechar”, disse. Ele também estendeu o apelo a Rede Globo e a CBFf para mudar os horários dos jogos.

Por último, uma campanha nas rádios de conscientização entra nesta quinta nas rádios da cidade. “Também autorizamos as horas extras das fiscalizações para contribuir de uma forma compreensiva, sem truculência”, disse Melo.

Comentários