Presidente do Chile decreta estado de emergência após protestos contra o aumento da passagem do metrô


Várias estações de metrô foram incendiadas. (Foto: Reprodução)

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, decretou estado de emergência, na madrugada deste sábado (19), após os violentos protestos que tomaram as estações de metrô na capital Santiago. As manifestações ocorrem contra o aumento de 800 para 830 pesos no preço da passagem.

Piñera disse que o estado de emergência vale para as províncias de Santiago e Chacabuco e também nas comunas de Puente Alto e San Bernardo. O general da divisão Javier Iturriaga del Campo foi nomeado chefe da Defesa Nacional.

Com o decreto, o governo pode restringir a liberdade de locomoção e reuniões, entre outras medidas. Campo descartou impor agora toque de recolher. “No momento, não temos informações que nos obriguem a decretar o toque de recolher”, disse o general. Ele anunciou, porém, que forças militares patrulharão a cidade nos “setores mais conflituosos”. O governo informou que fará “todos os esforços para aliviar a situação dos que foram afetados pelo aumento”.

Várias estações de metrô foram incendiadas com coquetéis molotov. Ônibus também foram danificados. A polícia prendeu mais de 180 manifestantes.

Comentários