Presidente do Supremo pede união aos juízes brasileiros em um momento de “extrema dificuldade”

A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, pediu união aos juízes brasileiros ao abrir, nesta segunda-feira (05), o 10º Encontro Nacional do Poder Judiciário, em Brasília. O evento tem como objetivo traçar as metas dos tribunais para o ano que vem, principalmente para melhorar o agilidade nas decisões judiciais.

“Tenho convicção que será um encontro para a união, porque temos encontros comuns, mas deveres comuns, um um momento de extrema dificuldade. Há enorme intolerância com a falta de eficiência do Poder Público, o que nos leva a pensar em soluções para que a sociedade não desacredite no Estado. O Estado tem sido nossa única opção. Ou é a democracia ou a guerra. E o papel da Justiça é pacificar”, afirmou Cármen.

A fala da ministra ocorre em um momento em que entidades representativas de juízes e do Ministério Público criticam medidas em discussão no Congresso, interpretadas como uma tentativa de cerceamento do trabalho de magistrados e promotores.

Cármen afirmou que a sociedade brasileira passa por um momento de “encruzilhada”. “Ou a sociedade acredita em uma ideia de justiça que vai ser atendida por uma estrutura estatal e partimos para um marco civilizatório específico, ou a sociedade deixa de acreditar nas instituições e por isso mesmo opta pela vingança.”

Comentários