Preso um homem que vendia fotos e vídeos de pedofilia em Porto Alegre

Agentes da Delegacia de Polícia da Criança e do Adolescente Vítima prenderam preventivamente, na quinta-feira (10), um homem de 31 anos no bairro Floresta, em Porto Alegre. Ele é suspeito de compartilhar e vender fotografias e vídeos com conteúdo sexual envolvendo crianças e adolescentes.

De acordo com informações da Polícia Civil, o criminoso comercializa as fotos e os vídeos para outros pedófilos por R$ 100. A ação foi coordenada pelo delegada Andrea Magno.

Megaoperação

Em novembro do ano passado, policiais civis realizaram a terceira fase da Operação Luz na Infância, que apurou crimes relacionados à pornografia infantil no Distrito Federal, no Rio Grande do Sul e em outros 17 Estados. A ação foi coordenada pelo governo federal. Mais de 40 pessoas foram presas em flagrante.

Ao todo, foram cumpridos 69 mandados de busca e apreensão. As prisões em flagrante ocorreram no momento em que policiais encontraram materiais ilícitos. No RS, foram cumpridos mandados em Porto Alegre, Santa Maria e Pelotas. Dois criminosos foram presos no Estado.

Além do RS, a ação foi deflagrada nos seguintes Estados: Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo, Tocantins e Pernambuco.

Cadastro de Pedófilos

Em janeiro de 2018, o então governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, sancionou o Projeto de Lei 16/2016, de autoria do deputado estadual Maurício Dziedricki (PTB), que criou o Cadastro Estadual de Informações para Proteção da Infância e da Juventude, o chamado Cadastro de Pedófilos. A proposta foi aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa gaúcha.

“Não é com alegria que sanciono essa lei, uma vez que ela trata de uma enorme crueldade. Mas é com a sensação de dever cumprido porque, a partir da sua implantação, temos a perspectiva de tentar diminuir esse crime tão perverso. Quero saudar o deputado Maurício Dziedricki pelo empenho na criação desse cadastro, já que muitos pedófilos cumprem penas diferentes da prisão fechada, como a reabilitação, e não há um controle geral desses criminosos”, ressaltou o ex-governador na ocasião.

O acesso ao Cadastro de Pedófilos deve ser feito pelo site da SSP (Secretaria da Segurança Pública) e permite que membros do Ministério Público, do Judiciário, da Polícia Civil e da Brigada Militar, além de pessoas envolvidas com a defesa dos direitos das crianças, como conselheiros tutelares e secretários de assistência social, possam agir de maneira mais efetiva e com medidas protetivas.

Comentários