Receita Estadual divulga nova edição de boletim sobre os impactos econômicos do coronavírus no RS

Em relação às vendas médias por atividade, o Atacado segue apresentando os melhores desempenhos. (Foto: Marcos Santos/USP Imagens)

A Receita Estadual divulgou, nesta quinta-feira (06), a 19ª edição do boletim sobre os impactos da pandemia de Covid-19 nas movimentações econômicas dos contribuintes de ICMS no Rio Grande do Sul.

A publicação apresenta a evolução dos indicadores de emissão de notas eletrônicas em geral e por atividade (indústria, atacado e varejo), com visão semanal entre o período de 16 de março, quando foram adotadas as primeiras medidas de isolamento social pelo governo do Estado, e o dia 31 de julho.

O documento está disponível no site da Secretaria da Fazenda e no Receita Dados (portal de transparência da Receita Estadual). O valor médio diário de emissão de notas eletrônicas (NF-e e NFC-e) na última semana, entre 25 e 31 de julho, aumentou 1,7% na comparação com o período equivalente de 2019. Essa foi a terceira semana consecutiva de variações positivas no indicador, demonstrando tendência de retomada das atividades econômicas.

Entre o fim de março e o início de abril, o resultado chegou a ser de -31,5%. No acumulado do período de análise, entre 16 de março e 31 de julho, a redução chega a -6,8%, representando que cerca de R$ 130 milhões deixaram de ser movimentados, em operações registradas nas notas eletrônicas, a cada dia.

Em relação às vendas médias por atividade, o Atacado segue apresentando os melhores desempenhos, com +14,9% na última semana e +3% no acumulado do período. A Indústria, após registrar três variações positivas seguidas, voltou perder desempenho, com variação semanal de -1,5%. No acumulado, o setor industrial agora tem queda de -9,7%. O Varejo apurou o pior resultado da semana, com índice de -5%. A atividade varejista registra -11,7% de variação desde o início da pandemia.

Comentários