Retomada do crescimento da economia brasileira não virou realidade em agosto

A esperada recuperação da economia brasileira não se materializou, em agosto, nos dados que monitoram a atividade. Segundo informações divulgadas nesta quarta-feira (21) pela FGV (Fundação Getulio Vargas), com a metodologia do instituto norte-americano Conference Board, os dados que acompanham a atividade no presente recuaram em agosto pelo segundo mês seguido.

Pesaram no desempenho negativo a baixa na ocupação do mercado de trabalho e a menor produção de papelão ondulado (usado em embalagens). O consumo de energia pela indústria ficou praticamente estável e as vendas do comércio tampouco mostram dinamismo.

Já os indicadores que buscam antecipar a tendência da economia subiram pelo sétimo mês seguido, puxados por expectativas positivas de investidores do mercado financeiro, consumidores e empresários do setor de serviços. Também ajudou a estabilidade da taxa de câmbio, que conteve a queda dos preços de produtos negociados pelo País no exterior.

Segundo o pesquisador Paulo Picchetti, se as incertezas políticas parecem perder fôlego, sobram dúvidas no campo econômico. O Banco Central avisou que não cortará juros até que haja indicativos de que o ajuste fiscal será feito. “Diminuiu a incerteza, mas longe do suficiente para se dizer que está aberto o caminho para uma retomada”, afirmou Picchetti.

Os indicadores adicionam interrogações sobre a velocidade de recuperação da economia. A queda da arrecadação de impostos sobre lucros das empresas em agosto e o declínio da importação de máquinas e equipamentos corroboram uma visão mais cética sobre uma retomada rápida.

Comentários