Retração da economia gaúcha neste ano pode ultrapassar 10%

Este ano deve ser pior do que 2015, quando o Brasil viveu o pico de uma recessão econômica. (Foto: Divulgação)

Prever os reais impactos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus na atividade econômica do Brasil e do Rio Grande do Sul ainda é um exercício cercado de incertezas.

A partir de uma série de indicadores sobre o consumo e a circulação das pessoas, estudo desenvolvido no âmbito do Comitê de Dados/Covid-19 do governo do Estado reuniu dois modelos distintos para estimar os efeitos da pandemia na economia gaúcha. Mesmo em cenários menos pessimistas, ambos mostram que o ano de 2020 será pior do que 2015, quando o Brasil viveu o pico de uma recessão.

Em uma das análises de curto prazo, a retração do IBCR-RS (Índice de Atividade Econômica do Banco Central para o RS) seria na ordem de 10%, isso na hipótese de se retomar gradativamente os índices de atividade pré-pandemia.

Mesmo para registrar um indicador tão negativo e que deverá se replicar no comportamento do PIB (Produto Interno Bruto) gaúcho, o estudo conduzido pelo professor Régis Augusto Ely, do Departamento de Economia da UFPel (Universidade Federal de Pelotas), alerta que não foram consideradas mudanças na estrutura produtiva no período pós-pandemia em função de restrição de informações.

Se isso ocorrer, a queda da atividade econômica pode permanecer por um longo período de tempo. No caso do cenário se agravar, exigindo que o isolamento social permaneça nos padrões atuais até dezembro, a queda do IBCR-RS deve ultrapassar 14%.

No estudo, Ely analisou indicadores que envolvem desde a arrecadação de ICMS – cuja queda em abril foi de R$ 451 milhões na comparação com o mesmo mês do ano passado –, emissão de notas fiscais eletrônicas (queda mensal de R$ 14,7 bilhões), a demanda de energia elétrica e até mesmo o volume de veículos de passeio e de transportes cruzando por praças de pedágio.

Em uma estimativa mais drástica (na hipótese do avanço da doença exigir medidas de isolamento iguais às adotadas no mês de março), o tombo na atividade econômica poderá atingir a marca de 16%. Diante do quadro, o professor de Economia vislumbra apenas para 2021 o início de um ciclo de retomada. “Isso na hipótese de termos a nossa estrutura produtiva mantida e que esta recuperação seja rápida, sendo sentida logo nos primeiros meses do próximo ano”, avalia.

Análise de setores

No segundo modelo utilizado no estudo, o economista Adelar Fochezatto, professor da Escola de Negócios da PUCRS, desenvolveu estimativas sobre os impactos da pandemia se valendo de projeções de cenários agregados e setoriais para o VAB (Valor Adicionado Bruto) e em termos de arrecadação do ICMS. Fochezatto avaliou o desempenho dos principais segmentos produtivos do RS.

Nesse sentido, analisou indicadores como o choque de demanda de energia em cada setor, os níveis de recolhimento do principal imposto estadual e a queda de oferta de produtos primários por conta da forte estiagem que atingiu o Estado.

A partir desses indicadores, o modelo trabalhou em dois cenários: um deles com a crise perdurando quatro meses, e o segundo, se prolongando por nove meses. Mesmo quando a economia gaúcha sofre por menos tempo, ela pode variar negativamente entre 6,5% e 8,1%, e as perdas em termos de arrecadação do ICMS devem ficar entre R$ 1,8 bilhão e R$ 2,3 bilhões e entre R$ 21,7 bilhões e R$ 27,1 bilhões em termos de VAB.

Na situação mais extrema, a queda na cobrança do imposto ficaria entre R$ 4,1 bilhões e R$ 5,1 bilhões (variação negativa entre 14,6% e 18,2%), no mínimo o dobro do volume de repasses com o socorro federal que o RS receberá em quatro parcelas. Nessa situação mais extrema, as perdas de VAB ficariam entre R$ 48,8 bilhões e R$ 61,1 bilhões.

Nos cenários analisados, o setor automobilístico, a agropecuária, a indústria metalúrgica e a fabricação de aço são os que apresentam maiores variações negativas, tanto no VAB quanto na arrecadação de ICMS.

Comentários