“Saio com a consciência de que fizemos tudo o que estava ao nosso alcance”, disse o presidente da Assembleia Legislativa do RS, Edegar Pretto, durante balanço da sua gestão

O presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Edegar Pretto (PT), apresentou o relatório da sua gestão na manhã desta quarta-feira (17), em Porto Alegre. O mandato do parlamentar na presidência da Casa terminará no dia 1º de fevereiro, quando assumirá o deputado Marlon Santos (PDT).

Pretto salientou que, ao assumir o comando do Parlamento gaúcho, se viu diante de um desafio, de discutir problemas de interesse da sociedade, “causas que pudessem engrandecer o Rio Grande do Sul”. Uma delas foi a discussão em cima do tema igualdade de gêneros, a partir de números “inaceitáveis” de violência contra as mulheres no RS.

Segundo ele, 96 mulheres foram mortas em suas residências neste ano que passou no Estado. No Brasil, foram 533. No RS, o número de mulheres agredidas diariamente chega a 63. A cada cinco dias, cinco mulheres perdem a vida, 104 são ameaçadas de morte por dia e cinco são estupradas. “Isto é inaceitável, por isso decidimos fazer desta uma grande causa”.

A primeira ação para reverter esse quadro foi uma campanha institucional, com apelo em todas às mídias, para o fim da violência contra as mulheres. Como membro brasileiro do Comitê da ONU HeForShe, desde 2014, Edegar Pretto contou que mobilizou empresários, empresas, veículos de comunicação, instituições federais, universidades e parte de universidades privadas, que aderiram ao movimento ElesPorElas. O objetivo foi levar o tema aos bancos escolares, “terreno fértil para desconstituir o preconceito contra as mulheres”, disse o parlamentar.

Alimentação saudável foi outra causa defendida em seu mandato à frente da Assembleia Legislativa. “Somos um dos maiores produtores de alimentos do País e do mundo, mas somos também um dos maiores consumidores de venenos”, disse. Em parceria com a UFRGS, foram realizados seminários a fim de conscientizar os produtores sobre o tema, além de diversas outras ações. Pretto também atestou que um dos dias mais felizes de sua gestão foi quando inaugurou uma feira ecológica na frente da Assembleia, levando aos consumidores e aos colaboradores da instituição alimentos saudáveis. A feira ganha palco no local todas as quartas-feiras no turno da tarde.

Educação como desenvolvimento regional foi outro destaque de sua gestão, que conseguiu junto ao governo federal a atualização do repasse de verbas às instituições de ensino, que havia sido cortado. A Lei Kandir também ganhou discussões, uma vez que o RS se considera credor do governo federal de um valor acumulado na ordem de 50 milhões de reais por impostos de exportação. O tema teve seu prazo ampliado para debate em agosto deste ano, devendo entrar nas pautas da Câmara dos Deputados e do Senado.

Internamente, o presidente da Assembleia Legislativa apontou melhorias realizadas no prédio, passando pela modernização de elevadores, fachada principal a partir da colocação de porta giratória e novos equipamentos para maior segurança e conforto de colaboradores e visitantes.

“Fizemos uma gestão responsável. Tínhamos um orçamento de 643,4 milhões de reais e fizemos uma economia de 71 milhões de reais que retornarão aos cofres públicos”, destacou o petista. Os investimentos na Casa chegaram a 10 milhões de reais, incluindo também reformas em todo o quarto andar, onde fica o setor administrativo.

“Saio com a consciência de que fizemos tudo o que estava ao nosso alcance”, garantiu Pretto. O deputado salientou ainda o formato de gestão compartilhada adotado pela Casa: “Uma escolha democrática, com decisão soberana de voto pelas urnas”. (Clarice Ledur/O Sul)

Comentários